domingo, 3 de janeiro de 2016

Coalas

O coala é um mamífero muito conhecido. A sua forma faz lembrar um urso de peluche e é bastante bonito. No entanto, é também um animal interessante. Existe há 700 000 anos e é natural da Austrália Oriental. Apesar de não ser uma espécie ameaçada, está a desaparecer rapidamente. Aqui veremos como é que estes marsupiais vivem, mas também como é que a população australiana colabora para que não deixe desaparecer o seu símbolo nacional.




Nome: Phascolarctos cinereus
Tamanho: 85 centímetros de comprimento
Alimentação: Eucalipto
Tempo: 0,7 - 0 M.a. (Pleistocénico até hoje)
Local: Austrália Oriental
Tipo: Marsupial vombatiforme (coalas e wombates)





O coala é um mamífero marsupial da Austrália, que é o único representante da família Phascolarctidae, sendo este a última espécie sobrevivente de coalas (duas foram extintas pelo ser humano: o Invictokoala e o coala-gigante).

Estes animais já estiveram quase para ser extintos, quando os colonos europeus tinham o hábito inicial de matá-los para lhes retirar a pele. Quando este hábito desapareceu, a espécie tornou-se mais estável, mas com o desaparecimento das florestas, perto das cidades, os coalas movem-se para o ambiente urbano, onde podem acabar atropelados, caçados por cães ou sem a capacidade para encontrar alimento, sendo que alguns acabam por se alimentar de comida processada por seres humanos e passam a beber água, coisa que nenhum coala chega a fazer na natureza, pois obtém a água a partir das folhas de eucalipto que ingere.


Os coalas são marsupiais, tipos de mamíferos que prosperaram na Austrália, quando esta se separou dos outros continentes, mesmo antes de outros mamíferos invadirem este território. Antes da colonização dos europeus, o coala estava espalhado por quase toda a Austrália Oriental, chegando até certas regiões da Austrália Ocidental. Graças a novos projectos de conservação e investigação, conseguimos perceber mais sobre os hábitos de vida deste animal incrível.

O coala possui o característico nariz grande e preto, com fossas nasais enormes para lhe estabelecer equilíbrio térmico.

O polegar da mão do coala não possui nenhuma garra, sendo semelhante à de um ser humano. O polegar é o único dedo oposto à direcção dos outros dedos na mão deste marsupial, para permitir agarrar nos ramos e nas folhas como um humano.


O coala, graças à sua pelagem impermeável, pode dormir à chuva, ou ao sol, sem se incomodar demasiado. O pêlo, como seria de esperar, é mais curto durante o verão e mais comprido durante o inverno.

O seu intenso intestino grosso é capaz de digerir a celulose das plantas, uma boa adaptação dos marsupiais, o que lhe dá um sistema digestivo um pouco semelhante ao da vaca. O estômago também liberta um suco digestivo bastante forte para permitir a digestão das quantidades enormes de vegetação que o coala ingere.


A época de acasalamento do coala dura cerca de 4 meses. Apesar da força, estatura e som trovejante, produzido pelo nariz do macho, as fêmeas provam-se bastante difíceis para com eles, repelindo-os com agressividade.

Após o macho conseguir acasalar, cada um dos sexos se separa para fazer a sua vida. A gestação dura cerca de um mês e poucos dias.

O recém-nascido pesa metade de um grama e mede dois centímetros de comprimento. As suas patas dianteiras são pouco desenvolvidas, por isso confia nas suas patas traseiras para subir desde o fundo da "bolsa" da mãe (conhecido também pelo marsúpio) até à zona onde se inserem as duas tetas.


O pequeno coala torna-se independente da "bolsa" aos 8 meses de vida. No entanto, ainda mete a sua cabeça nela para mamar, e vai às cavalitas da mãe durante as peregrinações noctívagas.

Por ser tão querido e bonito, as pessoas costumam confundi-lo com uma espécie de urso, mas, na realidade, é um parente bastante mais próximo do wombat. A razão por se chamar "coala", deve-se à palavra aborígene "Koala", que significa "o animal que não bebe", devido ao facto de este mamífero nunca beber água líquida, contentando-se apenas com o líquido que se encontra na vegetação de que se alimenta.

Na Austrália, o eucalipto é uma árvore bastante importante para o ecossistema, mas ainda mais indispensável para o coala.



Os aborígenes, os primeiros e mais antigos povos humanos na Austrália (chegando a esse ambiente há mais de 45 000 anos), caçam o coala por tradição, por ser uma espécie lenta e sedentária, fácil de caçar. Os aborígenes caçam os coalas para sua alimentação e não são responsáveis pelo seu desaparecimento, por isso, nesse caso, nós, a Civilização Ocidental, deve ter a responsabilidade de salvar estes animais tão únicos.




Curiosidades sobre os coalas:


Muitas vezes, o coala é confundido com um urso. No entanto, o coala é um mamífero marsupial, um tipo de mamíferos que nasce a partir do marsúpio, um órgão que se forma numa espécie de "bolsa", tal como a de um canguru (outro marsupial). O urso, por sua vez, é um placentário, tal como os seres humanos, pois nasce a partir de uma placenta, que se forma no ventre materno. Os placentários fazem parte de mais de 90% de todas as espécies de mamíferos do planeta.
O parente mais próximo do coala é o wombat, na imagem. Enquanto que o adorável coala habita as árvores, o wombat vive em terra. Pode chegar a 1 metro de comprimento e alimenta-se de plantas. Vive em tocas, as quais este escava e possui o característico nariz que reforça a ideia de que este é o parente mais próximo do coala. Para o wombat se defender de predadores, possui um traseiro coberto de ossos fortes e densos. Caso este marsupial abanar o seu traseiro com força pode causar danos severos ao predador.


Para além de leite, os juvenis coalas precisam de aprender a lidar com o sabor do eucalipto, para quando crescerem. Como a sua dentição é pouco desenvolvida, a mãe do bebé organiza uma estratégia para o fazer provar o eucalipto. Faz uma espécie de pasta para o juvenil. Essa pasta é, propriamente, fezes.

O pequeno juvenil come as fezes da mãe para que possa se habituar a comer o eucalipto. Mais tarde, aprende a comer as folhas desta árvore e percebe que tem o mesmo sabor do cozinhado natural da mãe!




Caso, um detective australiano estiver a resolver um crime, tem de ter em conta de que existe uma outra espécie de animal que é capaz de se disfarçar de ser humano, através de... impressões digitais. O coala possui impressões digitais bastante semelhantes às de um ser humano. Seria uma boa técnica para certos criminosos enganarem as investigações criminais de modo astuto.

Cada impressão digital é única nos coalas e nenhuma é igual à de um ser humano. Pelo facto de as impressões digitais dos coalas serem únicas para cada indivíduo, seria um modo criativo de identificar cada coala na natureza.

A razão por estes marsupiais terem evoluído impressões digitais é desconhecida. Mas pode-se realçar que o coala é um mamífero marsupial incrivelmente semelhante ao ser humano! As impressões digitais e a existência de um polegar em cada mão tornam-lhes vagamente similares ao homem. Claro que faltaria desenvolver a fala, o cérebro avançado e a postura erecta, mas a evolução pode criar exemplos fantásticos e espectaculares. O coala não é excepção.

2 comentários:

  1. Gostei muito deste artigo, continue a postar mais, abraço.

    ResponderEliminar
  2. Fico imaginando a frustração do bichinho ao saber da procedência da "papinha" que a mamãe coala o fazia comer, he he.

    Muito bom este blog. Abraços!

    ResponderEliminar