sábado, 14 de novembro de 2015

Os animais mais perigosos do planeta

Sair à rua, com toda a vida selvagem lá fora, pode ser de uma ignorância tão tremenda que até pode ser fatal. Em Portugal, poucas pessoas morrem por animais, mas há espécies que podem ser bastante perigosas. Existe em Portugal, cães e vacas que são agressivos e que se sabe já terem morto pessoas. Abelhas podem matar pessoas com as suas picadas super-dolorosas, quando em enxame! Tubarões praticamente não atacam na costa portuguesa, apesar de frequentarem espécies mortíferas, como o tubarão-martelo, o tubarão-azul e, até mesmo, o tubarão-branco. Quase meia-dúzia de serpentes portuguesas são venenosas e só a víbora-de-seoane tem um veneno que potencialmente mataria uma pessoa doente, idosa ou jovem (no entanto, não há mortes confirmadas feitas por esta espécie). Pelo resto do mundo, a vida não é tão fácil e os seres humanos têm de se dar cara a cara com medusas, aves mortíferas, ursos gigantes, serpentes venenosas, aranhas predadoras, lagartos enormes, mamíferos paquidermes e muitas mais criaturas. Nesta lista extensiva mostramos os animais que mais matam, mas também aqueles que, apesar de não matarem tanta gente, têm a capacidade de se tornarem os mais mortíferos de todos os animais da Terra.


Se consegues correr quase tanto como uma chita, teres reflexos tão rápidos como uma mosca e a imunidade ao veneno tão forte como o ouriço-cacheiro, então estás safo. Mas o ser humano, sem as suas tecnologias, está feito. Animais do seu tamanho facilmente derrubar-nos-iam, tal como um pastor-alemão. Somos tão cruéis com certos animais, como os elefantes e rinocerontes, que nos tratam agora como uma ameaça. Grande parte dos mamíferos tem uma imunidade incrivelmente forte ao veneno das aranhas, mas nós somos uma triste excepção. Aqui temos aqueles animais que tornam a vida de um homem desgraçadamente horrível e até pode-se dizer como evitar os encontros fatais do assassino.


Radiata (Medusas, anémonas, corais, ctenóforos, etc.)



Nome: Vespa-do-mar (Chironex fleckeri)
Tamanho: 3 metros de comprimento (comprimento dos tentáculos)
Alimentação: Peixes e crustáceos
Tempo: 580 - 0 M.a. (Ediacariano até ao Presente)
Local: Sudeste Asiático, Papua Nova-Guiné e Nordeste Australiano
Tipo: Chirodropida (ordem de cubomedusas)

A vespa-do-mar é uma das várias espécies de cubomedusas. No entanto, esta é a mais conhecida, devido ao seu veneno mortal. O seu veneno é tão doloroso, tão rápido e tão poderoso que é mesmo considerado o animal mais venenoso da Terra. O seu veneno mata em 5 minutos e, muita gente que é picada por estes animais, não volta para contar a história. Os seus enormes tentáculos delicados possuem uma camada de arpões microscópicos que contêm o veneno neurotóxico mais forte de todos os animais. Esses arpões são disparados a uma velocidade tão rápida, mais rápida que o próprio reflexo humano. Quando disparados, libertam-se dos tentáculos e bombeiam veneno. As pessoas sentem como se milhares de agulhas a arder estivessem a picá-las ao mesmo tempo. O choque é tanto que muitas pessoas chegam a morrer afogadas antes sequer de chegar ao hospital. As feridas causadas pelos milhares de arpões microscópicos formam uma espécie de queimaduras, como se estivessem a queimar as vítimas com tiras de ferro aquecido!
A razão por ter desenvolvido um veneno tão letal é o facto de precisar de matar rapidamente as suas presas, antes que estas danifiquem os seus tentáculos. Parece que também é bastante útil na defesa contra os inimigos. Cerca de uma pessoa é morta por uma vespa-do-mar em cada dois anos. Para evitar morrer nas quentes águas tropicais da Austrália, mais vale nadar com fatos protectores, para evitar a penetração dos arpões venenosos (tal como as tartarugas-marinhas com pele espessa) ou nadar em zonas protegidas, onde as cubomedusas não entram a partir de redes finas na água das praias.


Nome: Anémona-carpete-sol (Stichodactyla helianthus)
Tamanho: 50 cm de diâmetro
Alimentação: Peixes, crustáceos e moluscos
Tempo: 570 - 0 M.a. (Ediacariano até ao Presente)
Local: Mar das Caraíbas
Tipo: Anémona-do-mar

A anémona-carpete-sol é uma espécie de anémona com uma característica peculiar, a forma achatada que lhe dá o nome. No entanto, ao contrário da maioria das anémonas-do-mar possui um veneno tóxico que pode causar grandes danos num ser humano e talvez poder causar a morte. Não há mortes registadas, mas o veneno é um dos mais fortes no grupo das anémonas. A causa para tal veneno deve-se à protecção contra predadores, como as lagostas. Evitar o contacto com esta espécie é usar protecção adequada, como fatos de mergulho, onde os arpões microscópicos dos seus tentáculos não podem penetrar o fato.


Chelicerata (aranhas, escorpiões, caranguejos-ferradura, etc.)



Nome: Aranha-teia-de-funil-de-Sydney (Atrax robustus)
Tamanho: 5 cm de comprimento
Alimentação: Insectos, lagartos, roedores e outras aranhas
Tempo: 250 - 0 M.a. (Triássico até ao Presente)
Local: Dentro de um raio de 100 km, à volta de Sydney, Austrália
Tipo: Aranhas-teia-de-funil

Se um ser humano for mordido por uma aranha-teia-de-funil-de-Sydney é preciso ter muito azar, ou alguma sorte nos dias de hoje. Azar porque, primeiro, a maior parte dos mamíferos são imunes ao veneno desta aranha, excepto, por exemplo, o ser humano. Segundo, porque é uma aranha bastante agressiva, mostrando as suas enormes quelíceras e patas peludas para o ar. Terceiro, porque só existe numa específica região da Austrália e é preciso ter muito azar ao ser mordido por uma. A sorte é que existe um antídoto bastante bem desenvolvido, pois outros mamíferos demonstram-nos que é possível com o transplante de plasma sanguíneo de espécies imunes ao veneno, os machos são os com o veneno mais forte (não admira, pois estão sempre em andamento e precisam de se defender) e o veneno não actua rápido, mas lentamente, durando cerca de meia-hora a matar. Houveram, até agora, cerca de 14 mortes registadas feitas por estas aranhas.
No entanto, o veneno mais forte de todas as aranhas pertence à aranha-armadeira, do Brasil. Vive frequentemente nas colheitas de bananas e raramente ataca pessoas. O seu veneno causa espasmos e dificuldades cardio-respiratórias. Nos homens, a mordida causa uma erecção tão forte que dói. Felizmente, as mordidas de aranhas são raras e não são responsáveis pela maioria de mortes feitas por animais venenosos.


Nome: Escorpião-amarelo-de-Israel (Leiurus quinquestriatus)
Tamanho: 7,7 cm de comprimento
Alimentação: Insectos, aranhas, solífugos, répteis e roedores
Tempo: 45 - 0 M.a. (Eocénico até ao Presente)
Local: Norte de África e Médio Oriente
Tipo: Escorpião

Indiana Jones mesmo disse que os escorpiões mais pequenos eram os mais venenosos. No caso do escorpião-amarelo-de-Israel, acontece que é um dos escorpiões mais pequenos e, também, o mais venenoso! O veneno do escorpião mata rapidamente, mas não é qualquer um que anda pelo meio do deserto e é picado por um escorpião. Este aracnídeo, por vezes, entra dentro de casas e dentro de zonas frescas e, aparentemente, protegidas (como os chinelos confortáveis do inquilino). Logo de manhãzinha, o dorminhoco calça os chinelos e o escorpião instintivamente pica-o.
O escorpião-amarelo-de-Israel, juntamente com todas as espécies de escorpiões, perfazem uma gama de 1500 mortes por ano!


Hexapoda (insectos, colêmbolas, etc.)



Nome: Mosquito-da-malária (Anopheles gambiae)
Tamanho: 7 mm de comprimento
Alimentação: Sangue e pólen
Tempo: 225 - 0 M.a. (Triássico até ao Presente)
Local: África
Tipo: Mosquito

O mosquito-da-malária é responsável por quase um milhão de mortes humanas. No entanto, não é o mosquito em si que mata, mas os protozoários que vivem no seu aparelho bucal, os quais transmitem a malária. Quando o mosquito pica para obter o seu alimento, transmite os protozoários infecciosos para o organismo humano, matando lentamente.
Grande parte das doenças mortais para o ser humano surgem em África, pois essas doenças evoluem para matar grandes símios, como chimpanzés e gorilas e, por sua vez, seres humanos. Daí a África ser o continente de origem da malária, da SIDA e do ébola!


Nome: Abelha-do-mel-europeia (Apis mellifera)
Tamanho: 1,5 centímetros de comprimento
Alimentação: Pólen e mel
Tempo: 35 - 0 M.a. (Oligocénico até ao Presente)
Local: Cosmopolita
Tipo: Insecto himenóptero (abelhas, vespas e formigas)

As abelhas são sinais da Primavera, da prosperidade e de um novo começo. Só para quebrar este bom sentimento, digamos que as abelhas são dos insectos mais mortíferos. Os mosquitos não costumam matar por si próprios, mas são as doenças que protozoários do seu aparelho bucal transmitem e que causam as mortes. Desse ponto de vista, serão as abelhas que conquistam o título de insectos mais mortíferos, especialmente as abelhas-assassinas.
As abelhas-assassinas são uma variedade agressiva de abelhas-do-mel-europeias, as quais são bastante comuns na América, pois foram lá introduzidas. Enxames enormes atacam pessoas e, geralmente, matam-nas. O veneno de uma só abelha não chega para matar um humano, mas é o enxame que causa os danos. Cerca de 125 pessoas morrem por ano, devido a picadas de abelha.
As abelhas-assassinas mandam dezenas de guerreiros quando se sentem ameaçadas e isso é suficiente para desencadear uma resposta mortífera. Cada abelha morre após picar o inimigo, pois o ferrão solta-se, juntamente com uma grande parte dos órgãos essenciais para a sobrevivência do insecto. É um sacrifício disposto a cometer para a sobrevivência da colmeia.


Outros artrópodes (centopeias, miriápodes e crustáceos)



Nome: Centopeia-gigante-da-Amazónia (Scolopendra gigantea)
Tamanho: 30 centímetros de comprimento
Alimentação: Insectos, moluscos, aranhas, outras centopeias, anfíbios, peixes, répteis, pequenos mamíferos e aves
Tempo: 420 - 0 M.a. (Silúrico até ao Presente)
Local: América Central e do Sul
Tipo: Centopeia

A maior centopeia da Terra dá enormes calafrios àqueles que têm fobia a insectos, aranhas e outros artrópodes terrestres. Como se não bastasse a fobia de seres potencialmente inofensivos, esta centopeia é bastante venenosa, podendo mesmo matar uma pessoa. Com as suas mandíbulas fortes agarra fortemente as presas e injecta o veneno. Pode mesmo caçar morcegos e aves, ao agarrar-se com os apêndices no final dos seus segmentos a um ramo ou a um talude e apanha-os em pleno ar. Felizmente, os encontros mortíferos com esta centopeia são bastante raros e poucas são as mortes confirmadas.


Outros invertebrados (moluscos, vermes, etc.)



Nome: Cone-geográfico (Conus geographus)
Tamanho: 15 centímetros de comprimento
Alimentação: Peixes e crustáceos
Tempo: 55 - 0 M.a. (Eocénico até ao Presente)
Local: Oceano Indo-Pacífico
Tipo: Conóideo (caracóis marinhos predadores)

O cone-geográfico é um caracol com uma concha incrivelmente atraente. As suas conchas têm um valor comercial muito grande e de uma beleza incrível. Tal como algumas belezas cruéis da Natureza, o cone pode ser mortal.
Um australiano coleccionava conchas, mas, quando pegou numa excepcionalmente atraente, sentiu dores intensas e morreu misteriosamente. Ao examinar o corpo descobriram um mini-arpão na sua pele. Esse arpão pertencia ao cone-geográfico. O arpão venenoso, escondido no seu sifão, é disparado a uma velocidade surpreendente contra as presas, que costumam ser peixes. Para evitar que o peixe arranque o arpão, desenvolveu um forte veneno que mata rapidamente a presa. Instintivamente, tratando o dedo do coleccionador como um peixe, dispara o arpão em direcção ao pobre homem, ou mulher, que se meter no seu caminho.
Principalmente nos mares do Indo-Pacífico existe uma variedade incrível de animais marinhos venenosos e é preciso ter muito cuidado com quem se está a meter.


Nome: Grande-polvo-de-anéis-azuis (Hapalochlaena lunulata)
Tamanho: 10 centímetros de comprimento
Alimentação: Peixes e crustáceos
Tempo: 325 - 0 M.a. (Carbonífero até ao Presente)
Local: Oceano Indo-Pacífico
Tipo: Octopodídeo (polvos comuns)

O grande-polvo-de-anéis-azuis é outra das maravilhas letais da vida animal. Os seus anéis costumam ser azuis pouco nítidos, mas, quando ameaçado, muda para uns ameaçadores anéis azuis-escuros. Usa esta coloração para afastar os predadores. Caso esta ameaça não for reconhecida, o inimigo leva uma mordida venenosa e morre.
Para que conste, a mordida deste polvo é indolor para os seres humanos, mas paralisa os movimentos voluntários, como respirar, andar ou falar. O coração continua a bater e a vítima continua consciente do que se passa à sua volta, mas, sem conseguir respirar, morre sufocada.
Felizmente, pouca gente ousa se meter com este polvo, se souber como reagir a esta espécie. Se vir um polvo destes, então é melhor deixá-lo em paz no seu ambiente natural.


Chondrichthyes (tubarões, raias, quimeras, etc.)



Nome: Tubarão-de-pontas-brancas-oceânico (Carcharhinus longimanus)
Tamanho: 4 metros de comprimento
Alimentação: Peixes, crustáceos, moluscos, mamíferos marinhos, aves e carcaças
Tempo: 45 - 0 M.a. (Eocénico até ao Presente)
Local: Oceanos temperados e tropicais
Tipo: Tubarão carcariniforme (tubarões-tigre, tubarões-martelo, tubarões-de-pontas, etc.)

O tubarão-de-pontas-brancas-oceânico é um tubarão agressivo e é o rei de todos os necrófagos que se juntam num frenesim alimentar, a meio do mar alto. Estes tubarões raramente atacam pessoas, pois não é qualquer um que fica perdido no mar aberto. No entanto, suspeita-se que muitos náufragos, sobreviventes de acidentes de avião ou de barco, passem a ficar vítimas deste predador nocivo. A melhor maneira de evitar a atenção de tubarões perigosos é não se mexer muito. A não ser que a pessoa possuía uma ferida a sangrar (os tubarões sentem o cheiro a sangue a uma grande distância), este deve mexer-se o mínimo possível na água, pois a agitação atrai instintivamente os sentidos do tubarão.
Lembre-se que a maior parte dos tubarões são inofensivos e, mesmo as espécies conhecidas como perigosas, raramente atacam pessoas, pois há mínimo contacto com estas, e nos ataques, as mortes são raras. Cerca de duas pessoas são mortas por tubarões em cada ano. Os tubarões não matam as pessoas pois a maioria não as vê como presas. O famoso tubarão-branco caça geralmente focas e leões-marinhos e muitas vezes confunde os surfistas com esses animais a nadarem em grandes velocidades. No entanto, o tubarão-branco larga a pessoa logo que percebe, a partir do sabor, que não é uma foca. As mortes acabam por acontecer devido às feridas que o tubarão deixa, mas muita gente é tratada e sobrevive a estes ferimentos.
As espécies mais mortíferas de tubarões são: o tubarão-touro, o tubarão-branco, o tubarão-martelo, o tubarão-areal, o tubarão-azul, o tubarão-tigre, o tubarão-limão, o tubarão-mako, o tubarão-de-pontas-brancas-oceânico e o tubarão-de-pontas-negras.


Nome: Uge-de-pintas-azuis (Taeniura lymma)
Tamanho: 35 cm de envergadura
Alimentação: Peixes, crustáceos e moluscos
Tempo: 100 - 0 M.a. (Cretácico até ao Presente)
Local: Oceano Índico e Pacífico Ocidental
Tipo: Peixe miliobatiforme (uges e outras raias)

A uge-de-pintas-azuis é uma de várias espécies de uge. A sua beleza, natureza dócil e tamanho pequeno faz com que seja uma preferência para os oceanários e aquários de todo o mundo. Existe apenas um pequeno problema, o arpão venenoso na base da sua cauda. É uma característica típica das uges e aparece em certas regiões vestigiais, sem veneno, na base da cauda, em certas raias. Esta uge possui um grande arpão na cauda que penetra no inimigo e injecta o veneno. Poucas pessoas morrem devido a este veneno, pois pode ser facilmente tratado, mas já foram registados várias vítimas com feridas profundas na perna feitas pelo arpão serrilhado. Mamíferos marinhos foram mesmo encontrados com arpões de uges trespassados no seu peito!
Felizmente, as uges atacam caso forem surpreendidas e é mesmo possível alimentar uges à mão, o que lhe deu o nome de "gato do mar", pela sua docilidade. Mas, caso forem surpreendidas o gato pode passar para fera em pouco tempo!


Outros peixes (peixes ósseos, lampreias e peixes-bruxa)



Nome: Peixe-pedra-dos-recifes (Synanceia verrucosa)
Tamanho: 51 centímetros de comprimento
Alimentação: Peixes, crustáceos e moluscos
Tempo: 425 - 0 M.a. (Silúrico até ao Presente)
Local: Oceano Índico, Pacífico Ocidental e Mediterrâneo (possivelmente)
Tipo: Peixe escorpaeniforme (peixes-dragão, peixes-escorpião, peixes-pedra, etc.)

Consegue vê-lo? O peixe-pedra-dos-recifes esconde-se tão bem nestas pedras que seria muito difícil evitá-lo. E, já para não falar, é o peixe mais venenoso da Terra! Os espinhos que possui no seu dorso injectam uma quantidade muito forte de veneno. Poucas mortes são registadas e existe um antídoto. Esses espinhos são capazes mesmo de perfurar solas de sapato.
A razão para esta toxicidade é desconhecida, pois a defesa contra os predadores pode ser rapidamente contornada com a sua camuflagem excepcional. Também não é útil para a caça, pois o peixe-pedra suga os peixinhos que se aproximarem demasiado do seu esconderijo.
A melhor maneira de evitar o contacto com estes peixes é, de um certo modo, ter muito cuidado onde se põe os pés.


Nome: Piranha-vermelha (Pygocentrus nattereri)
Tamanho: 33 centímetros de comprimento
Alimentação: Matéria vegetal, insectos, vermes, moluscos, outros peixes, anfíbios, pequenos répteis, pequenas aves e pequenos mamíferos
Tempo: 25 - 0 M.a. (Miocénico até ao Presente)
Local: América do Sul
Tipo: Peixe caraciforme (piranhas e tetras)

Filmes, desenhos animados, histórias e lendas contam-nos mortes lendárias feitas por piranhas. Mas havia um tempo em que se dizia que as piranhas nunca atacavam humanos e que eram praticamente inofensivas. Pensando bem, pensar que peixinhos com o comprimento de um lápis conseguirem roer uma pessoa até aos ossos, é algo muito ficcional, mas em 2011, um boliviano bêbado de 18 anos, acabou sendo devorado por estas piranhas! A partir daí, os ataques e mortes feitas por piranhas começaram a ser bastante mais registados. A ficção passou a ser uma realidade!
A razão porque as piranhas caçaram mais humanos é que essas pessoas fizeram as coisas erradas no momento errado. Normalmente, as piranhas atacam na época seca, onde existe pouca comida e estas concentram-se com os lagos a diminuir. Estas são atraídas pela agitação da água, tal como os tubarões, por isso a maior parte das mortes registadas incluía crianças.
Diga aos seus filhos para fazer menos barulho.


Serpentes (pitões, cobras, víboras, etc.)



Nome: Mamba-negra (Dendroaspis polylepis)
Tamanho: 4,5 metros de comprimento
Alimentação: Insectos, moluscos, anfíbios, répteis, pequenos mamíferos e aves
Tempo: 100 - 0 M.a. (Cretácico até ao Presente)
Local: África
Tipo: Elapídeo (mambas e najas)

A mamba-negra é uma serpente muito especial. É altamente venenosa, comprida e rápida. Tem uma cor acizentada, quase branca, mas deve o seu nome devido ao interior da boca. É assustador ver uma serpente destas, o que levou aos povos africanos chamarem à mordida da mamba este nome: "o beijo da morte". É das serpentes mais mortíferas de África, a maior que possui veneno nesse continente e a mais rápida do mundo, chegando a ultrapassar 10 km/h, apesar de certas pessoas terem afirmado avistar mambas correr a velocidades de 20 km/h!
A mamba-negra é super-agressiva e consegue avistar-te rapidamente e atacar. O veneno desta é tão forte que, mesmo com tratamento médico, pode causar paralisia permanente.
Conste-se que nem todas as serpentes são venenosas e a maioria mata as presas por estrangulamento. Grandes serpentes, como as pitões, anacondas e jibóias, podem matar por estrangulamento uma criança ou um adulto, mas as mortes causadas por tais serpentes são raras. Muitas das serpentes venenosas têm um veneno fraco ou não injectam veneno quando mordem pessoas. A serpente mais venenosa é a taipan-australiana e não há mortes confirmadas desta espécie.
A maior de todas as serpentes venenosas é a cobra-real, com 5 metros de comprimento, no Sul da Ásia. Esse réptil ergue-se até à altura de um ser humano e abre as costelas, perto do seu pescoço, para se tornar mais ameaçadora! Caso o inimigo não fugir, morde nas zonas que lhe estão mais ao alcance e injecta o veneno poderoso. É no Sul da Ásia que ocorrem a maior parte das mortes feitas por serpentes, morrendo cerca de 2500 pessoas por ano, nessa zona, por mordidas de serpente.


Nome: Cascavel-diamante-ocidental (Crotalus atrox)
Tamanho: 2,1 metros de comprimento
Alimentação: Insectos, répteis, pequenos mamíferos e aves
Tempo: 95 - 0 M.a. (Cretácico até ao Presente)
Local: EUA e México
Tipo: Víbora

A cascavel é uma das serpentes mais letais do planeta, pois pertence ao grupo mais desenvolvido de serpentes na arte do envenenamento: as víboras. As víboras possuem dentes retrácteis que são encolhidos quando não estão a ser usados, mas que se estendem para injectar o veneno. Ao contrário das víboras da Europa, Ásia e África, as cascavéis, da América, produzem um guizo proveniente da sua cauda vibrante. Usa este guizo para afastar os predadores, mas isto só se aplica no continente americano. Caso o inimigo não se for embora, a posição em forma de S, da parte superior do corpo, está sempre pronta para propulsionar a boca com os dentes venenosos. Felizmente, metade das vezes que ataca para se defender, e não para caçar, injecta veneno. Caso não injectar, então parabéns.
Muitas cascavéis possuem veneno mais letal quando são jovens do que quando são adultos. A razão é fácil, pois os jovens são mais vulneráveis e preferem morder os atacantes para se defender. Felizmente, grande parte das mordidas de serpente tem tratamento. Caso for mordido, tente mover o menos possível, para que o sangue não coagule rapidamente com o corpo, juntamente com o veneno. Com sorte, sobreviva.


Anguimorpha (varanos, monstros-de-gila, cobras-de-vidro, etc.)



Nome: Dragão-de-Komodo (Varanus komodensis)
Tamanho: 3 metros de comprimento
Alimentação: Peixes, lagartos, serpentes, mamíferos e aves
Tempo: 4 - 0 M.a. (Pliocénico até ao Presente)
Local: Ilhas da Indonésia
Tipo: Varano

O maior lagarto do mundo está entre os animais mais perigosos do mundo, pelo menos é o que parece. Apesar de uma grande boca e garras afiadas, a convivência com humanos é, muitas vezes, inofensiva. Para certos povos locais é, no melhor dos cenários, a reencarnação dos seus antepassados, mas no pior, um incómodo. Os ataques e mortes são extremamente raros e, caso um dragão se habituar tanto a uma certa pessoa, pode mesmo se tornar amigo do peito. Não admira que este homem, na imagem, se sinta bem à beira do maior lagarto do mundo.
No entanto, ser mordido por estes répteis não é nada agradável. Apesar de a sua mordida ser mais fraca que a de um gato doméstico, possui sulcos nos dentes onde a carne podre decompõe-se e proporciona um habitat favorável para bactérias infecciosas. Por muito tempo acreditava-se que as mortes eram causadas pelos germes que infeccionavam as feridas causadas pela mordida de um lagarto. Mas, há bem pouco tempo, descobriu-se que o dragão-de-komodo, e outros varanos, possuíam glândulas de veneno. Desse modo, o maior lagarto do mundo é, também, o maior animal venenoso vivo.


Nome: Monstro-de-Gila (Heloderma suspectum)
Tamanho: 60 centímetros de comprimento
Alimentação: Insectos, vermes, moluscos, aranhas, escorpiões, fruta, lagartos, roedores e aves
Tempo: 25 - 0 M.a. (Miocénico até ao Presente)
Local: EUA e México
Tipo: Varanóideos (varanos e monstros-de-gila)

O monstro-de-gila tem um nome bem dado. É outro lagarto venenoso, no entanto, praticamente, não há mortes confirmadas feitas pelo monstro-de-gila. O veneno é injectado em quantidades pequenas e adultos saudáveis estão a salvo. Apesar de ser capaz de matar, há poucas probabilidades de morrer devido a um, pois a sua característica lenta faz com que seja pouco provável uma pessoa chegar sequer a ser atacada. A sua reputação de animal perigoso pôs em causa o seu estatuto de conservação e agora está inserido no estatuto "quase ameaçado". A maior parte das pessoas mata o monstro-de-gila com medo que este lhes ferre.
Já para não falar, existe um lagarto aparentado, igualmente venenoso, menos conhecido, vive no mesmo local, mas tem uma cor castanha monocromática: o lagarto-de-contas-mexicano. Essa espécie, menos reconhecida pela sua perigosidade está num estatuto de conservação mais seguro.


Outros répteis (outros lagartos, tartarugas, crocodilianos, etc.)



Nome: Crocodilo-poroso (Crocodylus porosus)
Tamanho: 6,3 metros de comprimento
Alimentação: Peixe, serpentes, varanos, mamíferos e aves
Tempo: 5 - 0 M.a. (Pliocénico até ao Presente)
Local: Sudeste Asiático, Papua Nova-Guiné e Austrália
Tipo: Crocodiliano

Mas que visão assustadora! Esta fotografia foi tirada pela BBC, no Rio Adelaide, Austrália. Este crocodilo é o maior réptil vivo da Terra! Sabe-se que esta espécie já devorou pessoas e já derrubou botes e barcos. Com a sua mordida poderosa é praticamente impossível escapar durante um ataque. Pode propulsionar-se a 12 metros por segundo e arrancar grandes pedaços de carne com os seus golpes violentos.
Tenha muito cuidado quando entra na água!


Nome: Crocodilo-do-nilo (Crocodylus niloticus)
Tamanho: 5 metros de comprimento
Alimentação: Peixes, serpentes, varanos, mamíferos e aves
Tempo: 3 - 0 M.a. (Pleistocénico até ao Presente)
Local: África
Tipo: Crocodilo

O crocodilo-do-nilo não é tão diferente do crocodilo-poroso, apenas um pouco mais pequeno. É o segundo maior réptil vivo e apresenta uma reputação medonha. Apesar de menos agressivo, matou mais pessoas do que o crocodilo-poroso. Isso deve-se à frequência que as pessoas se encontram nos rios, a dar de beber ao gado ou a lavar roupa e, também ao facto de haver muita mais população em África, do que nos rios da Austrália. Também há mais crocodilos-do-nilo no mundo do que crocodilos-porosos, ou seja, há mais probabilidade de acabar dentro do primeiro.
Em rios que você suspeita haver crocodilos, ou parentes próximos, tem de estar preparado para afastar-se rapidamente da margem quando acontecer a emboscada. Caso for apanhado, não mexa muito a área que está a ser mordida, mas tente debater-se a dar socos e pontapés. Muitas vezes, o réptil rodopia para arrancar pedaços de carne, por isso tente acompanhar o crocodilo, o máximo possível, para que não seja desfeito.


Aves



Nome: Casuar-do-sul (Casuarius casuarius)
Tamanho: 1,9 metros de altura
Alimentação: Frutos, bagas, folhas, insectos e carcaças
Tempo: 5 - 0 M.a. (Pliocénico até ao Presente)
Local: Papua Nova-Guiné e Austrália
Tipo: Ave casuariforme (casuares e emas)

Pouca gente ouviu falar do nome casuar, mas, quem o conhece, sabe o porquê de estar nesta lista. O casuar-do-sul, especialmente, é perigoso. Vários ataques são registados por ano, apesar de só haver uma morte registada. A razão por ser um animal mortífero é devido ao seu comportamento agressivo e às garras tipo punhal nas suas patas. Povos da Papua Nova-Guiné caçavam estas aves e usavam as suas garras como ponta de lança!
Estas aves tornam-se agressivas por razões de mau entendimento. A ave ataca por se sentir ameaçada, ou não haver comida ou, pior, para a protecção da sua prole. Hoje é reconhecida como sendo a ave mais perigosa da Terra.


Nome: Avestruz (Struthio camelus)
Tamanho: 2,5 metros de altura
Alimentação: Erva, folhas, frutos, insectos e lagartos
Tempo: 15 - 0 M.a. (Miocénico até ao Presente)
Local: África
Tipo: Ave estrutioniforme (avestruzes)

A ave mais perigosa do mundo é o casuar, uma das maiores espécies avianas do planeta. A maior ave do mundo, a avestruz, é também das mais perigosas.
Tal como o casuar-do-sul, a avestruz possuí uma garra tipo navalha nos pés que dilacera membros de um ser humano. É mais provável seres morto por uma avestruz do que por um casuar, pois as avestruzes são animais de quinta bastante espalhados pelo mundo, e irritam-se facilmente (especialmente quando o seu ninho está metido na confusão). No entanto, uma avestruz é muito menos agressiva que um casuar, o que não a torna a ave mais perigosa do mundo.
Para evitar que uma avestruz te mate durante um ataque, é necessário baixar-te. Caso a vítima permanecer de pé, o pontapé da ave pode trespassar o peito com as suas garras letais! Ao baixar-se, o risco de morte é menor, segundo as estatísticas e é melhor baixar-se com o peito virado para o chão. De qualquer maneira, caso estiveres numa situação de perigo que envolva uma avestruz, tal como nesta imagem, a melhor opção é correr!


Canídeos (cães, lobos, coiotes, chacais, raposas, etc.)



Nome: Cão (Canis lupus)
Tamanho: 1,5 metros de comprimento
Alimentação: Ração, carne e restos de comida humana
Tempo: 0,03 - 0 M.a. (Pleistocénico até ao Presente)
Local: Cosmopolita
Tipo: Canis (cães, lobos, chacais, coiotes, etc.)

O cão é o melhor amigo do homem... ou, pelo menos, é o que antes pensávamos. Toda a gente sabe que os cães podem ser bastante agressivos, mas pouca gente do nosso quotidiano viu um ser humano a morrer devido ao ataque do canídeo mais comum do planeta!
O cão descendeu de outras subespécies de lobo (Canis lupus), sendo que o cão é uma delas. De um certo modo, podemos dizer que o melhor amigo do homem pode despertar o seu instinto de lobo mau, escondido há milhares de anos. Certas raças são bastante agressivas e são conhecidas por matar pessoas, principalmente crianças, bebés e idosos. Muitas vezes é devido ao facto de se treinar o cão para ser agressivo, ou para se tornar um cão de guarda e, uma vez solto, comporta-se como um lobo faminto. Para evitar as mortandades de pessoas, feitas por ataques de cães, então tem de tratar o "seu melhor amigo" com respeito.
Para informar, os ataques de cães têm de ser levados muito a sério, pois todos os anos morrem cerca de meia centena de pessoas por cães, enquanto que morrem cerca de duas pessoas por tubarões em um ano!


Nome: Coiote (Canis latrans)
Tamanho: 1,6 metros de comprimento
Alimentação: Insectos, aranhas, escorpiões, carcaças, peixes, anfíbios, répteis, mamíferos, aves, frutos e mel.
Tempo: 0,7 - 0 M.a. (Pleistocénico até ao Presente)
Local: América do Norte e pequena região para lá do Canal do Panamá
Tipo: Canis

O coiote não é, propriamente, um animal perigoso. É um animal bastante espalhado pela América do Norte e está habituado a uma variedade incrível de habitats, desde a tundra árctica até à floresta tropical da América Central. Alimenta-se de uma variedade de alimentos e é um dos canídeos mais adaptáveis do mundo. É facilmente encontrado em zonas urbanas do continente norte-americano. Mas não é o seu estabelecimento na vida humana que o manteve nesta lista, mas o facto de já terem ocorrido mortes invulgares feitas por esta espécie oportunista.
Em certos parques naturais norte-americanos existe um sinal a dizer "Não alimente os coiotes". Caso os visitantes alimentassem os coiotes, estes aproximar-se-iam mais das pessoas e iria aumentar o risco de ataques feitos por estes predadores. Devido ao seu pequeno tamanho, e hábito pouco social, os ataques são raros e ocorrem com poucos ferimentos graves. No entanto, a urbanização tem feito com que muitos coiotes vivessem perto das pessoas e têm até mesmo se comportado com crianças pequenas como se estas fossem presas! No entanto, as mortes relatadas acontecem devido à hibridação entre coiotes e lobos, que tem despertado aos coiotes híbridos um sentimento ainda mais furioso em relação aos humanos, pois os lobos são caçadores de homens.
Muitas espécies de animais não atacam os seres humanos por terem medo. Mas o ambiente urbano está a aumentar e muitas espécies estão a viver nesse ambiente e a ter menos medo das pessoas que passam por aí. Isso vai aumentar as hipóteses de ataques e mortes feitos por animais que já não têm medo de nós.


Ursídeos (ursos)



Nome: Urso-polar (Ursus maritimus)
Tamanho: 3,5 metros de comprimento
Alimentação: Peixe, focas, morsas, cetáceos, mamíferos terrestres, aves, bagas e algas
Tempo: 5 - 0 M.a. (Pliocénico até ao Presente)
Local: Tundra árctica
Tipo: Ursus (ursos-polares, ursos-pardos e ursos-negros)

O urso-polar é o maior mamífero carnívoro terrestre da Terra. Não se deixe enganar pela imagem, pois mesmo adolescentes pequenos podem causar graves ferimentos com garras e dentes afiados. Na vida selvagem, o urso-polar mata focas à patada, arpoando-as com as garras e esmagando-lhes o crânio com as mandíbulas poderosas.
Não pense que são lentos, pois os ursos-polares podem ultrapassar um homem vulgar durante a corrida, e muito mais durante o processo de natação. Felizmente, as mortes por ursos-polares são raras, mas claro isso é porque quase ninguém vai passear nas planícies abertas da tundra árctica.


Nome: Urso-pardo (Ursus arctos)
Tamanho: 2,8 metros de comprimento
Alimentação: Mel, bagas, frutos, folhas, erva, tubérculos, peixe, insectos, moluscos, mamíferos, aves e carcaças
Tempo: 0,5 - 0 M.a. (Pleistocénico até ao Presente)
Local: Eurásia e América do Norte
Tipo: Ursus

O urso-pardo é o segundo maior e também o que mais mortes causa em todos os ursos. As suas garras e dentes afiados fazem com que seja um animal bastante perigoso, mas há muitos anos em que nenhuma morte feita por um urso-pardo ocorre. Para evitar um confronto contra o segundo maior mamífero carnívoro terrestre, é melhor respeitar o animal e o seu território.
Infelizmente, os seres humanos andam erectos e, para um urso territorial, manter-se erecto é uma imposição ao seu respeito. Caso um urso-pardo a andar se aproximar de si, num espaço aberto, mantenha-se baixo e continue a olhar para ele, na esperança que este vá embora, reconhecendo a submissão. Caso se suspeitar de que o território de um urso está perto, grite alto para que o animal saiba que você está aí, pois os ursos não gostam de surpresas! Caso um urso estiver a persegui-lo, não corra, pois este é mais rápido que um ser humano. Pode subir uma árvore, pois os ursos-pardos são bastante pesados para poderem subir às árvores. Mas caso não seja possível, enrole-se numa bola e ponha as mãos a proteger as orelhas, a cabeça e a nuca, para evitar o máximo de ferimentos graves possível.


Outros Carnivora (felinos, focas, doninhas, ginetas, hienas, etc.)



Nome: Leopardo (Panthera pardus)
Tamanho: 1,9 metros de comprimento
Alimentação: Insectos, peixes, répteis, mamíferos e aves
Tempo: 3 - 0 M.a. (Pliocénico até ao Presente)
Local: África e Ásia
Tipo: Felino

O leopardo pertence ao género Panthera, um grupo de grandes felinos que também constitui o leão, o tigre e o jaguar. Todos eles são mortíferos, mas o leopardo (a espécie mais pequena do género) é a mais perigosa. A sua mordida é capaz de quebrar um crânio humano. Caça uma variedade enorme de animais e numa variedade enorme de ambientes, desde as taigas até às florestas tropicais.
A razão de o leopardo ser tão mortífero é o facto de ser bastante agressivo e ser bastante comum em áreas urbanas, mais até que outros grandes felinos. Mata cerca de 200 pessoas por ano, tanto em África como na Ásia. São animais muito astutos e têm técnicas infalíveis para caçar as suas presas preferidas, o que, nalguns exemplares, são seres humanos!


Nome: Foca-leopardo (Hydrurga leptonyx)
Tamanho: 3,5 metros de comprimento
Alimentação: Peixes, crustáceos, moluscos, focas bebés e aves marinhas
Tempo: 5 - 0 M.a. (Pliocénico até ao Presente)
Local: Oceano Antárctico
Tipo: Foca

A foca-leopardo, tal como o coiote, não é realmente um animal perigoso. Mas podia bem o ser. Já foram reportados ataques destas focas em terra, as quais podem ser incrivelmente rápidas!
Gareth Wood, um explorador escocês foi mordido na perna e quase arrastado para o mar, se não fosse a equipa que deu vários pontapés na cabeça do animal e este acabou por largar. Apesar de os ataques serem raros, também é porque quase ninguém vai para os gelos do continente inóspito da Antárctida. Pelo menos uma morte foi registada, em que a bióloga Kirsty Brown foi arrastada por uma foca-leopardo até aos 60 metros debaixo de água, acabando por morrer.
A agressividade destas focas poderia bem colocá-los entre os animais mais perigosos do planeta, mas pouca gente se mete com estes animais, no entanto, tem um lugar nesta lista.


Artiodactyla (ruminantes, hipopótamos, suínos, camelos, etc.)



Nome: Hipopótamo (Hippopotamus amphibius)
Tamanho: 4 metros de comprimento
Alimentação: Ervas, fruta e plantas aquáticas
Tempo: 16 - 0 M.a. (Miocénico até ao Presente)
Local: África
Tipo: Hipopótamo

O hipopótamo é, nos desenhos animados, visto como um animal bondoso e simpático, pois parece não ser perigoso. Mas digo-vos que a vida real retrata uma realidade mais macabra.
Rugindo como o rei da selva, o hipopótamo reclama o seu território, e com as suas mandíbulas fortes e incisivos afiados, este herbívoro não tem piedade.
Já foram reportados hipopótamos a rasgar crocodilos e leões ao meio e muitas mortes são confirmadas por ano devido a estes vegetarianos sangrentos. Estima-se que 1500 pessoas morram por ano devido a hipopótamos e que só 150 são registadas.
Geralmente matam pessoas que se metem nos seus riachos, a andar de barco ou a nadar. No entanto, podem perseguir pessoas em terra, chegando a ultrapassar velocidades superiores a 25 km/h (ainda bem que os nativos africanos correm muito depressa).
Os hipopótamos são praticamente animais que matam sem o mínimo de piedade e são mesmo considerados uns dos animais mais mortíferos do continente africano.


Nome: Búfalo-africano (Syncerus caffer)
Tamanho: 3,4 metros de comprimento
Alimentação: Ervas, folhas e rebentos
Tempo: 0,7 - 0 M.a. (Pleistocénico até ao Presente)
Local: África Central e do Sul
Tipo: Bovídeo

O búfalo-africano é um outro animal africano que mata sem piedade, o que lhe dá o nome de "morte negra" ou "criador de viúvas", pelos nativos. Mata cerca de 125 pessoas por ano, devido aos seus coices e cabeçadas.
As vítimas deste animal costumam ser caçadores, que assustam e enfurecem um búfalo, e não queiram ver um búfalo furioso. Os búfalos vivem em enormes manadas e podem-se tornar bastante agressivos quando um indivíduo está em apuros, e toda a manada vem em direcção do intruso para o afugentar. Quer sejam pessoas, leões, hienas ou cães-selvagens, é preciso muita perícia para caçar um búfalo e voltar para contar a história.


Outros Laurasiatheria (cetáceos, ouriços, perissodáctilos, etc.)



Nome: Rinoceronte-negro (Diceros bicornis)
Tamanho: 3,7 metros de comprimento
Alimentação: Arbustos, folhas, ervas espinhosas
Tempo: 55 - 0 M.a. (Eocénico até ao Presente)
Local: Sul e Leste africano
Tipo: Mamífero perissodáctilo (equinos, rinocerontes e tapires)

O rinoceronte-negro é das espécies mais ameaçadas de rinocerontes. Como com um sentimento de vingança, o rinoceronte-negro é o mais perigoso. Cerca de uma pessoa é morta por ano, devido a este mamífero, mas muitos mais destes herbívoros são mortos por ano devido a seres humanos.
A razão de este herbívoro ser tão agressivo é devido ao facto de ser caçado intensivamente e o rinoceronte passa a tratar os seres humanos como uma ameaça. O rinoceronte-negro está classificado, pela IUCN, em "perigo crítico", o que significa que está prestes a entrar em extinção. Por sua vez, o rinoceronte-branco é o maior de todos os rinocerontes, mas está no estatuto "quase ameaçado" e é menos agressivo.
Ao preservarmos mais a vida selvagem, haverá menos riscos de certas criaturas nos tomarem como ameaças, assim evitando o número de perdas humanas.


Nome: Morcego-vampiro-comum (Desmodus rotundus)
Tamanho: 18 cm de envergadura
Alimentação: Sangue
Tempo: 55 - 0 M.a. (Eocénico até ao Presente)
Local: América Central e do Sul
Tipo: Morcego nariz de folha

Se não acredita em vampiros, passa agora a acreditar. O morcego-vampiro é uma espécie que se alimenta de sangue de aves e grandes mamíferos, incluindo o ser humano. As mortes causadas por este animal não devem-se ao facto de este pequeno mamífero voador sugar-lhe o sangue até esvaziar, pois ele simplesmente não é capaz de o fazer (para além de ele não sugar realmente o sangue, mas lambê-lo, a partir de uma ferida que o morcego abre).
As mortes devem-se à raiva que estes morcegos transmitem. Tal como os cães, o morcego-vampiro-comum pode transmitir raiva a partir das suas mordidas. A melhor maneira de evitar ser mordido por estes morcegos é, se viver nas Américas, fechar as janelas e assegurar-se que nenhum morcego que viva no sótão entre nas demais divisões da casa, enquanto está a dormir.


Outros mamíferos (primatas, roedores, marsupiais, elefantes, etc.)


Nome: Canguru-vermelho (Macropus rufus)
Tamanho: 2,1 metros de altura
Alimentação: Ervas, flores, frutos, arbustos e folhas
Tempo: 2 - 0 M.a. (Pleistocénico até ao Presente)
Local: Austrália
Tipo: Marsupial diprotodonte (cangurus, wombates, coalas, wallabies, etc.)

O canguru-vermelho é o maior marsupial vivo, apesar de não ser nada comparado com alguns monstros pré-históricos que acabaram extintos pelo ser humano. Com a sua estatura robusta pode facilmente derrubar um homem. Durante as lutas entre machos, os cangurus levantam-se e dão coices com as suas patas, munidas de garras afiadas como navalhas (não admira que, durante essas lutas, os machos encolhem os genitais). As suas patas da frente são também bastante fortes. Estas armas são capazes de ferir gravemente um ser humano, mas poucas mortes são confirmadas devido a essa razão.
A verdadeira razão de este animal ser perigoso é devido aos atropelamentos. Estes cangurus são muitas vezes encontrados mortos na estrada devido a atropelamentos. Mas um marsupial de tão grande porte poderia causar também enormes estragos a uma viatura e, consequentemente, ao condutor.


Nome: Elefante-da-savana (Loxodonta africana)
Tamanho: 4 metros de altura
Alimentação: Ervas, frutos, folhas, casca de árvore e rebentos
Tempo: 5 - 0 M.a. (Pliocénico até ao Presente)
Local: África Subsaariana
Tipo: Proboscídeo (elefantes)

O elefante-da-savana é uma espécie de elefante-africano, a maior de todas. É o maior animal terrestre. Este mamífero é bizarro, pois possui uma junção entre o nariz e o lábio superior (a tromba), duas longas projecções dentárias, orelhas gigantescas, uma inteligência avançada e um tamanho descomunal. O elefante é, nesta lista de animais perigosos, o que se assemelha mais connosco, em termos de comportamento.
Sabemos que os elefantes são animais em vias de extinção e isso deve-se à procura excessiva do seu marfim. Animal poderoso, o elefante matou várias pessoas, derrubou habitações, colheitas e viaturas. Estes animais emotivos tratam as pessoas como uma ameaça devido ao intenso mal que já lhe fizemos. Por ano, os maiores animais terrestres do planeta, matam cerca de 300 pessoas por ano, tornando-o num dos animais mais perigosos do mundo.





Concluindo, esta lista demonstra uma enorme amostra de criaturas perigosas, ou potencialmente perigosas, que existem espalhadas pelo mundo, desde medusas, aranhas, centopeias, tubarões, piranhas, crocodilos, elefantes, etc. Animais venenosos aparecem por aí, mas certas espécies, como os escorpiões, têm um veneno que, em certas quantidades, podem servir como antídoto para o próprio veneno de escorpião (saiba agora que, por litro, o veneno de escorpião é mais caro que a gasolina)! Certas espécies temidas por serem perigosas, como as serpentes e os tubarões, raramente matam, poucas espécies de serpentes têm veneno mortal e poucos tubarões potencialmente perigosos chegam sequer a dar uma dentada a uma pessoa. Lembre-se que por uma pessoa morta por tubarões, 20 milhões de tubarões são mortos por pessoas. Outros animais são caçadores com sede por carne humana. Outras espécies como os elefantes matam as pessoas porque agora consideram-nos como uma ameaça, pois nós matamos milhares de elefantes, muitos mais do que eles nos mataram a nós. Ou seja, o modo como tratamos uma certa espécie pode fazer com que seja uma espécie mortífera, apesar de sermos nós próprios a criar esta lista.

De um certo modo, o Homo sapiens é a espécie mais perigosa do planeta!

2 comentários: