sexta-feira, 17 de julho de 2015

Crocodilos do nilo, predadores viciosos

O crocodilo-do-nilo é uma das 14 espécies de crocodilos na Terra. Esta espécie é conhecida por ter sido um dos primeiros crocodilos a serem conhecidos pelas civilizações do Mediterrâneo, quando estes répteis estavam espalhados por grande parte de África, incluindo todo o Rio Nilo. Hoje, os crocodilos-do-nilo estão extintos nas regiões do Mediterrâneo, existindo praticamente só na África Subsaariana e Madagáscar, mas a sua grande distribuição já se preservou por 2,5 milhões de anos. É o maior réptil africano e apenas não é o maior de todos os répteis porque é ultrapassado pelo crocodilo-poroso com 7,5 metros de comprimento. Mesmo assim, este predador, que dá calafrios aos amantes de canoagem, é incrível e espantoso.


Dados:

  • Espécie: Crocodylus niloticus (crocodilo-do-nilo)
  • Tamanho: 6 metros de comprimento
  • Alimentação: Peixes, anfíbios, répteis, mamíferos e aves
  • Tempo: 2,5 - 0 milhões de anos (Pleistocénico até hoje)
  • Local: África
  • Tipo: Crocodilídeo



O crocodilo-do-nilo (Crocodylus niloticus) é exclusivo de África, expandindo-se pela bacia do Nilo, a África Subsaariana, Madagáscar e Comores.

Sem qualquer excepção, o crocodilo-do-nilo é totalmente carnívoro.

A fêmea põe os ovos num ninho de areia onde são incubados por 12 semanas. Pode parecer invulgar em répteis, mas os crocodilos fêmeas são mães bastante protectoras das suas crias e isso deixa de ser surpreendente, já que os parentes mais próximos dos crocodilos, aligátors, caimões, gaviais e falsos-gaviais são, de facto, as aves modernas. Os crocodilos-do-nilo são encontrados várias vezes juntos, mas nunca a formar bandos hierárquicos ou grupos familiares. O ninho de areia tem de estar a menos de 30ºC para os ovos eclodirem em fêmeas e mais que essa temperatura para eclodirem machos.


Os crocodilos-do-nilo são castanhos com ténues manchas pretas no dorso, flancos e cauda e com um ventre mais claro. Alguma variação de coloração acontece em alguns indivíduos: em águas turbulentas os crocodilos são mais claros e em águas turvas são mais escuros.

Tem quatro pernas curtas, cauda poderosa e fortes mandíbulas. Caso perderem um dente, volta a crescer outro no mesmo lugar. Têm glândulas lacrimais, ou seja, produzem lágrimas para limparem os olhos, não para enganarem as suas presas com as suas "lágrimas de crocodilo". As variações na coloração são bastante importantes para a camuflagem.


É um predador imprevisível, e pode atacar qualquer coisa que lhe estiver ao alcance.

O crocodilo-do-nilo é um dos predadores mais adaptáveis da Terra, o que explica a razão de não estarem ameaçados. Adoram água, pois é a ideal plataforma de caça, ao contrário do que acontece em terra. São, no entanto, bons na caça em terra, mas é mais útil durante a noite onde se escondem na erva alta até uma presa se aproximar sem se aperceber.


Na caça de presas terrestres, o crocodilo costuma estar praticamente submerso, às vezes com a cabeça e o corpo parcialmente fora de água. Quando ataca, para a presa é, geralmente, é tarde demais para reagir. O crocodilo não mastiga, por isso usa os dentes para perfurar a carne e empurrar a presa até ao fundo. A presa afoga-se e morre.

O tamanho da presa depende do tamanho do crocodilo. Os jovens crocodilos caçam animais de estatura média como aves, tartarugas, cobras, varanos, macacos, antílopes, porcos-espinhos, mangustos, lebres, pangolins, morcegos, etc. Quando a comida habitual é escassa, o crocodilo-do-nilo pode passar a vida a comer peixes e pequenos vertebrados terrestres. Costumam caçar peixes grandes, mas os peixes pequenos podem ser comidos na estação seca, onde há poucos grandes peixes. No entanto, os adultos comem menos peixe à medida que crescem, já que começam a apreciar o sabor a carne de mamífero.


Para além de mamíferos, os adultos caçam grandes aves, como a avestruz, e grandes répteis, como pitões. Entre antílopes, as suas presas preferidas constituem gazelas, impalas, kudus, palancas e gnus. Ao crescerem, os crocodilos precisam de presas maiores para se sustentar. Às vezes, alguns gigantes crocodilos arriscam caçar búfalos, girafas, jovens hipopótamos e jovens elefantes. Hipopótamos e elefantes adultos seriam a última presa a recorrer. Predadores terrestres, como as chitas, hienas e leões, evitam águas repletas de crocodilos, por isso são raramente caçados. Os crocodilos apenas caçam estes predadores quando as presas regulares são escassas. Existem alguns relatos de que algumas aves retiram pedaços de carne dos dentes do crocodilo para limpar a boca do réptil, mas tal comportamento nunca foi provado realmente e, provavelmente, é um mito.


Os crocodilos-do-nilo costumam atacar galinhas, cabras e ovelhas, quando lhes dão a oportunidade.

Juvenis são inteligentes o suficiente para usar a sua cauda como instrumento de arrasto para conduzir um cardume de peixes até aos baixios, onde o réptil pode comê-los um a um. Geralmente, o maior dos machos come primeiro durante um frenesim alimentar. As mandíbulas empurram a presa para o fundo do rio ou do lago, até que esta se afogue. Os crocodilos-do-nilo podem percorrer centenas de metros apenas para encontrar uma carcaça. Os répteis abanam a cabeça para arrancar pequenos pedaços de carne da carcaça para poder engolir inteiro. Em águas turbulentas, os crocodilos prendem as carcaças em ramos ou pedras.


Para além dos humanos, os principais inimigos dos crocodilos-do-nilo são os elefantes que espezinham-nos até à morte, mas também os hipopótamos, com uma mordida suficientemente forte para rasgar um crocodilo a meio!

O tamanho médio dos machos é de 4,2 metros de comprimento, mas há grandes que podem chegar a 5,5 metros e, no máximo, 6 metros de comprimento. Os crocodilos machos são 30% maiores que as fêmeas.




O maior de todos os crocodilos-do-nilo registados foi um exemplar macho baleado na Tanzânia com 6,4 metros de comprimento e pesava pouco mais de uma tonelada. Existem relatos de exemplares com 7 metros de comprimento, mas estes relatos são suspeitos. O maior exemplar vivo é um suposto comedor de homens, chamado Gustave, que pensa-se ter mais de 6,1 metros de comprimento.



Alguns crocodilos foram encontrados no extremo sul da África do Sul continental, onde os exemplares costumavam ter 4 metros.

O crocodilo-do-nilo é a espécie mais comum de crocodilos em África (outras espécies africanas constituem o crocodilo-de-focinho-delgado, o crocodilo-do-oeste-africano e o crocodilo-anão). Outrora, eram bastante mais comuns por quase toda a África. São bastante comuns na Somália, Etiópia, Uganda, Quénia, Egipto, República Centro-Africana, Zaire, Guiné Equatorial, Tanzânia, Ruanda, Burundi, Zâmbia, Zimbabué, Gabão, Angola, África do Sul, Malawi, Moçambique, Sudão, Sudão do Sul, Botswana e Camarões. Outrora já habitaram todo o Rio Nilo. Restos fósseis datam desde há 2,5 milhões de anos no Pleistocénico. Também existem populações no Oeste de Madagáscar.


Na África Oriental, o crocodilo vive maioritariamente em rios e lagos. Em Madagáscar, gostam de viver em cavernas.

Apesar de ser africano, o crocodilo-do-nilo tem como parente próximo o crocodilo-de-morelet, da América Central.

Os crocodilos costumam mergulhar por alguns minutos mas, se ameaçados, podem ficar submersos por meia-hora. Tal como muitos répteis, o crocodilo-do-nilo pode aguentar muito tempo sem comer mas, quando chega a hora de alimentar, pode comer o equivalente ao seu próprio peso corporal.


Apesar de ser um réptil, os crocodilos podem galopar, uma prova do seu parentesco com os animais activos de sangue quente chamados aves.

Podem criar vocalizações e têm, por isso, uma boa audição, conseguindo detectar os passos de uma manada a quilómetros de distância.

A força de mordida do crocodilo-do-nilo é superior a uma tonelada. Possuí 70 dentes na boca que podem ser vistos mesmo com a boca fechada, o que distingue os crocodilos dos caimões e aligátores. O 4º par de dentes da mandíbula inferior é visto com a boca fechada.


Os crocodilos-do-nilo têm idade máxima estimada para 90 anos!

Durante a época de acasalamento, os machos lutam ferozmente na posse de território e de fêmeas e, depois, batem com os focinhos na água e fazem uma série de ruídos para as impressionar. Quando estas são atraídas, ambos os sexos gorgolejam e esfregam os focinhos, até acasalarem.

As fêmeas põem os ovos em Dezembro, o que é a estação húmida na maioria da distribuição geográfica do crocodilo-do-nilo. Ela escava um buraco com dois metros de profundidade onde põe cerca de 40 ovos. Estes ovos parecem ovos de galinha, mas têm a casca mais fina e, de lá, não saem pintos.


A fêmea guarda os ovos por três meses, pois é o tempo de incubação dos ovos. A fêmea só abandona o ninho para se refrescar no rio ou a tomar um descanso à sombra e, nesse tempo, mal come!

Quando os ovos eclodem, os bebés fazem um chiar lamentoso que é uma aviso para a mãe tirá-los do ninho subterrâneo. A mãe junta os bebés na sua boca, gentilmente, e leva-os à água, onde os liberta.




Se a temperatura no ovo for inferior a 31ºC ou superior a 34ºC, este vai eclodir numa fêmea, e um macho eclodiria entre os 31ºC e os 34ºC.

Os bebés medem 30 cm à nascença, mas crescem depressa a cada ano, uma vantagem que os crocodilos têm é de que nunca param de crescer. As mães costumam proteger os filhotes dentro das suas bocas, pois nenhum animal que tem amor à sua vida ia querer se meter na boca de um crocodilo. Quando chegam aos dois anos de idade, os bebés já têm 1,2 metros de comprimento e abandonam a mãe para viverem por si próprios, evitando territórios de crocodilos mais velhos.


Os egípcios veneravam o crocodilo-do-nilo e até o representavam com o deus Sobek, na imagem, que era uma mistura de humano e crocodilo, associado à fertilidade, protecção e poder do faraó.

O local de culto do deus Sobek é uma cidade no oásis de El-Fayum.

Alguns egípcios tinham crocodilos-do-nilo como animais de estimação! Quando os répteis morriam eram mumificados como pessoas.




Os egípcios consideravam os crocodilos como sendo um animal sagrado porque os povos precisavam da água proveniente do rio Nilo e, quando os crocodilos chegavam, significava que havia abundância de peixes e, se há peixes, há fertilidade no solo para os fazer alimentar e esse solo iria ajudar na cultivação das plantas.

Apesar disso, o crocodilo-do-nilo era também associado ao deus Seth, o deus egípcio do mal, pois este réptil, ocasionalmente, caçava pessoas.


O crocodilo-do-nilo é uma das 14 espécies de crocodilos no mundo, mas chega para representá-las a todas. O comportamento fez-lo num ser extremamente venerado e mal visto. O velho réptil está aqui por 2,5 milhões de anos, no tempo em que os primeiros hominídeos fizeram as primeiras ferramentas de pedra, mas os seus parentes crocodilianos remontam um ancestral que viveu na era dos dinossauros e viver por muito tempo faz com que os crocodilos sejam mesmo criaturas incríveis e adaptáveis.

Sem comentários:

Enviar um comentário