domingo, 28 de setembro de 2014

Mamíferos II

Se os mamíferos dominaram a Terra durante cerca de 20% da sua história assim tão rapidamente é porque, provavelmente, têm se preparado no tempo dos dinossauros onde ainda tinham o tamanho de uma doninha. Foi durante todo esse tempo que os mamíferos têm sobrevivido graças às suas singularidades perante todos os outros animais ao seu redor. Nesta edição de "Mamíferos II" vamos falar sobre as principais características que fazem os mamíferos serem o que eles são.


Os mamíferos são animais vertebrados com glândulas mamárias, em que as fêmeas (ou os machos no caso de uma espécie de morcego, veja em "Mamíferos") amamentam as crias com leite materno, e estão cobertos de pêlo, excepto nos golfinhos e baleias onde apenas se encontram no estado embrionário. Têm controle sobre a sua temperatura corporal e têm um coração dividido em 4 partes. Existem, hoje, cerca de 5560 espécies de mamíferos conhecidas.





Os mamíferos parecem ter surgido há, pelo menos, 210 milhões de anos, e ainda há controvérsias acerca dos fósseis encontrados a partir de datas anteriores.






Os mamíferos eram antes classificados como animais com sangue, que respiram por pulmões, têm um coração com dois ventrículos e que são vivíparos. Esta classificação foi dada por John Ray e foi aceite pelo, mais famoso, Carolus Linnaeus.

Existem várias características a que os mamíferos são únicos a qualquer outro animal. Mamíferos e aves têm grandes semelhanças entre si, pois são ambos de sangue quente, mas sabemos que esta semelhança evoluiu de formas divergentes.






Outra coisa que os mamíferos têm em comum com os outros animais é o líquido amniótico que envolve os embriões, comum entre répteis e aves também. Também têm em comum a coluna vertebral que existe, claro, em todos os outros vertebrados.

No entanto, não é preciso dizer muito mais sobre estas características dos mamíferos, pois muita gente sabe como distingui-los.




A diversidade incrível dos mamíferos, inclui apenas 5560 espécies, nada comparado com as 9900 espécies de aves, 35 000 espécies de peixes, 100 000 espécies de moluscos e 10 000 000 de crustáceos e de insectos. Mas excedem todos estes na diferença de tamanho, tipos de locomoção, adaptação e alimentação.





Os mamíferos encontram-se em todos os continentes, incluindo na Antárctida, onde as focas rastejam no gelo. Os mamíferos estão também espalhados por quase todas as ilhas e nadam em todos os mares e oceanos do planeta.

Encontram-se em todos os biomas: tundra, deserto, savana, floresta, etc. Encontram-se em galerias subterrâneas, nos galhos das árvores e no ar, no caso dos morcegos.





Existem alguns mamíferos que são endémicos de um único local como o porco-formigueiro que só existe em África. Os marsupiais da ordem Paucituberculata e Microbiotheria vivem em zonas restritas da América do Sul. Artiodáctilos e carnívoros nunca se encontram de forma endémica na Austrália (excepto no caso das otárias e focas) excepto nas espécies introduzidas.




Existem várias ordens amplamente espalhadas, mas famílias e espécies é mais complicado. O lobo e a raposa-vermelha são uns dos mais amplamente distribuídos pelo Mundo, pelo menos no Hemisfério Norte. No Hemisfério Sul, a maioria das espécies tem uma distribuição mais restrita, como a toupeira-dourada da África do Sul.

A lebre-árctica encontra-se nas zonas polares da Europa, Ásia e América, mas uma população nos Alpes reside lá devido a uma relíquia da Idade do Gelo.





A distribuição geográfica dos mamíferos é influenciada por diversos factores naturais.

Os mamíferos descendem dos répteis Synapsida, os quais têm muitas semelhanças entre si.

O osso dentário articula-se directamente no osso esquamosal, um osso dérmico do crânio. Nos mamíferos, o osso quadrado e o osso articular juntam-se no estribo, dando origem à orelha interna com três ossos únicos: a bigorna, o martelo e o próprio estribo.


Os dentes dos mamíferos são maioritariamente heterodontes, pois possuem todos os tipos de dentes: incisivos, caninos, pré-molares e molares. Os dentes de leite só constituem dentes incisivos, caninos e molares decíduos, estes últimos assemelham-se muito aos molares do adulto. Os mamíferos são os únicos animais que mastigam e engolem a o que se chama de bolo alimentar.

Ao contrário dos répteis, os mamíferos não costumam rastejar e a maioria mantém os membros erectos enquanto caminha em terra.


Os mamíferos apresentam uma articulação no fémur em que se situa entre a tíbia e o astrágalo. O fémur tem um trocânter no lado lateral proximal para a ligação dos músculos dos glúteos o que dá à extremidade de muitos mamíferos uma forma mais arredondada.

A maioria dos mamíferos tem 7 vértebras no pescoço e as duas primeiras têm um atlas-áxis único e especializado.

Os mamíferos restringiram as costelas apenas até ao tronco. Essa evolução única de mover independentemente o tronco do resto da coluna vertebral deve-se, talvez, ao facto de terem desenvolvido a capacidade de se deitarem para os lados.


O coração dos mamíferos tem um septo ventricular e apenas um arco sistémico.

Os monotrématos retêm um pequeno sino venoso, os térios incorporam esta estrutura ao átrio direito.

Os mamíferos têm pulmões grandes, divididos em lobos e que têm brônquios, bronquíolos e alvéolos onde ocorrem as trocas gasosas.

Os cérebros dos mamíferos são relativamente grandes comparado com muitos outros animais.

O neocórtex é uma característica nervosa única entre os mamíferos. O neocórtex, em algumas espécies, domina todo o encéfalo rostral.


O cérebro dos mamíferos conta com o sistema límbico que é responsável pelas emoções e sentimentos.

Os receptores olfactivos estão localizados em um epitélio especializado nos ossos nasoturbinados do nariz. O olfacto é quase indispensável na maioria dos mamíferos, mas no caso dos cetáceos, o olfacto é reduzido ou até inexistente.

O ouvido interno tem três ossos únicos: a bigorna, o martelo e o estribo.

O ouvido interno está relacionado a uma longa cóclea capaz de uma enorme discriminação de tons. A orelha é útil para captar os sons mais amplamente do que apenas um pequeno ouvido. A sensibilidade auditiva de um mamífero terrestre é reduzida se as aurículas forem removidas. Os cetáceos usam a maxila inferior para canalizar ondas sonoras até ao ouvido interno.


Os mamíferos possuem retinas compostas e que são extremamente sensíveis à luz, mas são fracas para uma visão acurada.

O tapetum lucidum nos olhos dos gatos e dos cães são responsáveis por eles verem muito bem no escuro e de os seus olhos brilharem à noite.

A cobertura externa dos mamíferos é a chave para o seu modo de vida único. Alguns roedores têm uma epiderme muito frágil com apenas umas células de espessura, nada que se compare com os paquidermes. A textura da pele, sem os pêlos, pode ser lisa, rugosa, seca ou enrugada.



Os mamíferos também têm pêlos, glândulas sebáceas, glândulas apócrinas, glândulas sudoríparas e estruturas derivadas da queratina como cornos, unhas e garras.

A função básica dos pêlos é proteger do calor e do frio.

Há três tipos de glândula na pele dos mamíferos: as sebáceas, as apócrinas e as écrinas.

As glândulas sudoríparas dos humanos não devem ter evoluído a partir dos primeiros mamíferos, pois a maioria dos mamíferos não controla a temperatura do corpo com fluídos da pele. As glândulas sebáceas produzem uma secreção oleosa que ajuda a impermeabilizar a pele e o pêlo.


Muitos mamíferos evoluíram glândulas de odor derivadas das sebáceas ou das apócrinas. As glândulas de odor situam-se em zonas de fácil contacto, como a face, o queixo e os pés.

A maioria dos mamíferos anda sobre as pontas dos pés e têm uma longa cauda, por vezes preênsil.




Entre todas essas glândulas, as que fazem os mamíferos mais únicos são as glândulas mamárias, muito especializadas para dar leite aos filhotes.

Os mamíferos descenderam de répteis chamados Synapsida (ou répteis-mamíferos) que surgiram há cerca de 310 milhões de anos no Carbonífero.

Os Synapsida dividem-se em duas ordens: os Pelycosauria (répteis-mamíferos mais primitivos como o Dimetrodon) e os Therapsida (répteis-mamíferos mais evoluídos e que evoluíram para a linhagem mamaliana). Nos Therapsida são os cinodontes os mais semelhantes aos mamíferos, pois possuíam pêlo e evoluíram dentes mais diversificados: incisivos, caninos, etc.


Depois de os mamíferos terem surgido, durante 165 milhões de anos que os mamíferos continuaram diminutos e pequenos.

No entanto, durante a era Mesozóica (ou a era dos dinossauros) os mamíferos aperfeiçoaram as características que hoje são comuns com todas as espécies (veja em "Mamíferos primitivos"). Entre 120 e 95 milhões de anos, surgiram os mamíferos mais comuns entre nós: os térios (inclui os marsupiais e os placentários).


Ao contrário de Ray, Linnaeus preferiu classificar os mamíferos de uma forma mais complexa.

Henri Marie Ducrotay de Blainville dividiu os mamíferos em dois grupos: os monodelfos (placentários) e os didelfos (marsupiais e monotrématos).

Theodore Gill dividiu-os em dois grupos, hoje aceites: os Prototheria (monotrématos) e Eutheria (marsupiais e placentários).

George Gaylord Simpson preocupou-se com a classificação a partir da relação com as espécies fósseis. A classificação simplificada, do ínicio do século XX, é esta:

  • Mammalia
  •  Prototheria
  • Ordem Monotremata
  • Theria
  • Metatheria
  • Ordem Marsupialia
  • Eutheria
  • resto das ordens



A classificação dos mamíferos foi começando a ficar cada vez mais moderna depois dos início do século XX. Hoje, a classificação é enriquecida com testes moleculares e da pesquisa com espécies fósseis. Mas, ninguém sabe se a classificação dos mamíferos que hoje é aceite, pode mudar nos próximos anos.

Os testes moleculares ainda são úteis para saber o parentesco entre as espécies de hoje e as espécies fósseis.

Wilson e Reeder publicaram um livro em 2005 com uma lista de espécies vivas e recentemente extintas de todos os mamíferos. Os mamíferos em que se encontram mais novas espécies são os Chiroptera (morcegos), Rodentia (roedores) e Primates (primatas).


A classificação dos mamíferos (se quiser ver a classificação completa veja em "Mamíferos") tem três considerações que necessitam ser levantadas:

  • A ordem Insectivora foi dividida na ordem Afrosoricida, Erinaceomorpha e Soricomorpha.
  • A ordem Edentata foi dividida na Cingulata e Pilosa.
  • Alguns cientistas querem incluir a ordem Artiodactyla e Cetacea numa ordem chamada Cetartiodactyla.




Aqui temos um pequeno vídeo sobre a reprodução de um monotrémato, o equidna:


















Aqui temos um vídeo de um raro marsupial da América do Sul chamado colo-colo, ou monito-del-monte:


















Este vídeo mostra agora, na Austrália, o marsupial mais famoso numa luta entre machos:


















Como é que os maiores animais terrestres lutam uns contra os outros para defender o seu território:


















Quanto a mamíferos pré-históricos temos o mundo da América do Sul, com o tigre-de-dentes-de-sabre, a preguiça-gigante e outros:


















Aqui temos um pequeno vídeo sobre a tupaia, o suposto antepassado dos primatas:


















Será o homem o animal mais inteligente? Este chimpanzé parece que vai mudar essa verdade:


















Aqui temos factos sobre os hamsters selvagens:


















Como é que é o abrigo dos castores por dentro e como é que são construídos:


















Aqui temos um vídeo do ouriço-cacheiro que come tinta e cigarros, saiba mais se ver o vídeo:


















O solenodonte, o mamífero tímido, venenoso e em vias de extinção:


















Os morcegos costumam caçar insectos, mas este dirige-se para uma presa invulgar na água:


















Se há alguma coisa impressionante sobre os ursos é a sua perícia para pescar:


















Quando se pensa numa morsa pensa-se em gelo e mar, mas estas morsas sem querer calharam na borda de um desfiladeiro e caíram (desculpem por estar muito desfocado):


















O antepassado do cavalo-doméstico ainda existe nas planícies da Mongólia, o cavalo-de-przewalski:


















É difícil encontrar rinocerontes a acasalar, por isso seja abençoado quem filmou isto:



Os estranhos rituais de acasalamento dos camelos australianos é muito estranho (veja):




Sem comentários:

Enviar um comentário