domingo, 14 de setembro de 2014

Insectos II

Os insectos são, hoje em dia, os animais mais numerosos da Terra. Só toda a população de formigas-legionárias pesa tanto como toda a população humana junta, agora imaginem as térmitas, as abelhas, as moscas, as borboletas e todos esses outros bichos juntos! Os insectos foram uns dos primeiros animais completamente terrestres e surgiram há 395 milhões de anos, desde então têm se tornado uns dos animais mais adaptáveis de todos.


Os insectos são invertebrados com exosqueleto e um corpo dividido em 3 partes (cabeça, tórax e abdómen), 6 patas articuladas, olhos compostos e duas antenas. Pertencem à classe Insecta e são o mais diversificado grupo de artrópodes e, consequentemente, dos animais.

Os insectos estão entre as espécies mais diversificadas do planeta. Encontram-se em quase todos os ecossistemas da Terra, mas apenas um pequeno número adaptou-se à vida no mar.




Alguns grupos, como os Collembola, eram incluídos com os insectos nos Hexapoda, mas agora ainda se discute acerca da sua classificação filogenética. Alguns artrópodes como as centopeias, os milípedes, os escorpiões e as aranhas são erroneamente classificados como insectos. A diferença é simples, pois estes não possuem 6 patas.





Pode-se dizer que os insectos têm simetria bilateral. Na cabeça tem um par de antenas, um par de olhos compostos, dois ou três olhos simples e duas peças bucais: um par de mandíbulas, um par de maxilas e uma hipofaringe. Esses aparelhos bucais adaptam-se a vários tipos de alimentação (polinizador, herbívoro, carnívoro e parasita).

Em certas espécies encontramos um par de asas no mesotórax e outro par no metatórax. O abdómen armazena a maior parte do sistema digestivo, respiratório, excretor e reprodutor. As fêmeas possuem, muitas vezes, ovopositores que são extensões dos segmentos genitais, adaptadas para pôr ovos.


Têm um sistema digestivo completo, que começa na boca e acaba em um ânus.

A traqueia tem aberturas no exosqueleto que se chamam espiráculos e servem para fazer as trocas gasosas.

O sistema nervoso complexo junta-se em vários gânglios na cabeça para formar uma enorme massa cerebral.


A maioria dos insectos nasce em ovos postos em plantas, o que os torna animais ovíparos. Das espécies de insectos vivíparos temos os pulgões, em que as fêmeas dão à luz crias vivas.

Outros modos de reprodução de insectos podem ser: a haplodiploidia, polimorfismo, poliembrionia, pedomorfose, dimorfismo sexual, partenogênese e, mais raramente, hermafroditismo. A haplodiploidia, por exemplo, é comum nas formigas, abelhas e vespas.

Ainda temos a metamorfose onde existem dois tipos diferentes: a completa e a incompleta.





A metamorfose completa acontece com o ovo, depois a larva, a pupa e o adulto que não se parece nada com a larva e a esses insectos que passam por essa metamorfose chamam-se Holometábolos.

Aqueles em que a larva é semelhante aos adultos (excepto pelas asas) chamam-se Hemimetábolos e passam por uma metamorfose incompleta. Exemplos são as cigarras, as baratas e as libelinhas.

Os insectos dividem-se em Apterygota e Pterygota, este último constitui todos os insectos alados ou os que perderam as asas durante a evolução.


O grupo Neoptera (baratas, térmitas, grilos, ralos, etc.) pode dobrar as asas sobre o dorso e quando em uso são accionadas por uma acção indirecta de músculos que actuam sobre a parede do tórax.

Os insectos costumam fazer várias fazes de transformação, fazendo a muda do exosqueleto, já que o exosqueleto não cresce com o corpo.

Algumas espécies, como as formigas e abelhas, têm uma sociedade tão organizada que são, por vezes, considerados super-organismos.


Muitos insectos são considerados pragas, porque transmitem doenças (mosquitos, moscas), destroem edificações (térmitas) e consomem colheitas (gafanhotos, gorgulhos), alguns entomologistas procuram maneiras de os exterminar, como insecticidas, outros procuram arranjar uma maneira de bio-controle.

Muitos insectos ajudam na polinização (vespas, abelhas, borboletas), em que os insectos apanham o pólen e o néctar das flores e, quando buscam pólen de outra flor, o pólen da flor inicial passa para a segunda flor polinizando-a e reproduzindo a planta enquanto que os insectos ficam com o néctar e o pólen que apanharam.


Os insectos ainda produzem materiais essenciais como o mel, a cera, a laca e a seda. Em alguns lugares do mundo, os insectos são ainda uma importante fonte de alimentação para alguns povos.

Alguns insectos, como os escaravelhos, são especialmente detritívoros e alimentam-se de restos de animais e plantas, assim renovam os nutrientes.

Para qualquer praga, há, muitas vezes, uma espécie qualquer de vespa parasita ou predadora.

A classificação dos insectos é muito complexa (saiba mais em "Insectos").





Vídeos de insectos:


Aqui temos um vídeo das colêmbolas primitivas saltadoras (sabe-se que saltam quando desaparecem):


















Aqui temos um vídeo de como fazer uma armadilha para tisanuro ou peixinhos-de-prata:


















Aqui temos um vídeo de um insecto primitivo da ordem Diplura:


















Aqui temos um vídeo sobre os sete factos mais bizarros sobre baratas:


















Aqui temos um vídeo de dois incríveis predadores, a bicha-cadela contra a aranha:


















Aqui temos um vídeo de uma pequena ninfa de mosca-de-água artificial num anzol de pesca:


















Aqui temos um vídeo do gigante bicho-pau:


















Aqui temos um vídeo de um insecto da ordem Psocoptera:


















Aqui temos um vídeo sobre as cochonilhas:


















Aqui temos um vídeo que fala sobre como controlar a filoxera:


















Aqui temos um vídeo da famosa armadilha da predadora larva da formiga-leão:




Aqui temos um vídeo da estranha mosca-escorpião:



Aqui temos um vídeo de uma imensa nuvem de mosquitos (o número de mosquitos equivale ao número de humanos no planeta):



Aqui temos um vídeo do incrível "homem-abelha":





As 5 mais incríveis características sobre insectos:

O maior de todos os insectos, hoje em dia ainda tem competição. O escaravelho-golias mede 20 centímetros e é incrivelmente pesado e vive na África Central. As suas larvas também são enormes. Já o insecto-pau-indiano mede 30 centímetros. Mas é a Meganeura monyi com 70 centímetros que merece o recorde, esta libélula gigante viveu há 300 milhões de anos na Inglaterra. Já o insecto mais pequeno é uma pequena vespa de 0,2 milímetros chamada de Caraphractus cinctus.


As abelhas e vespas são uns dos insectos mais inteligentes, com uma capacidade muito avançada. As vespas podem ser treinadas, por exemplo, umas vespas respondiam a  um certo odor e quanto associavam o odor certo lá recebiam uma goluseima. No entanto, ainda podem ser controladas  como viram no vídeo do homem-abelha a partir de feromonas, as abelhas pensavam que ele era a rainha. E se as abelhas estão zangadas elas ainda podem reconhecer a vossa cara e, quem sabe, se farão vingança...


O escaravelho-bombardeiro é um incrível insecto com uma capacidade incrível de defesa, liberta um esguicho de ácido que pode aqueçer até aos 100 graus Célsius. Qualquer animal ameaçador que passar pela frente fica com queimaduras desagradáveis. Um insecto-pau na Austrália também liberta dois esguichos de ácido nas costas e que cheira a hortelã-pimenta, qualquer aranha ou outro predador foge a contorcer-se de dores.


O insecto que vive menos tempo é muito complicado de saber, mas a efémera parece ser o insecto com o tempo de vida adulta mais curta. A efémera passa dois anos debaixo do lodo no desenvolvimento larvar, quando acordam só têm um dia para acasalar e pôr ovos. As efémeras nem têm tempo para comer! Os insectos que vivem mais tempo devem ser os besouros Buprestidae que vivem entre 40 e 50 anos. A rainha das térmitas também vive muito tempo, cerca de 30 anos de vida!

As cigarras podem passar cerca de 17 anos debaixo de terra durante o desenvolvimento larvar e só têm alguns dias para acasalar.


As térmitas são numerosas. Uma térmita é cerca de 1000 vezes mais pequena que o ser humano e todas as térmitas no planeta, juntas, são do tamanho e do peso de toda a humanidade junta! Ou seja, devem existir cerca de 12 triliões de térmitas em todo o mundo!

Sem comentários:

Enviar um comentário