sexta-feira, 22 de agosto de 2014

Mamíferos

Os mamíferos surgiram há 225 milhões de anos, mas, durante 175 milhões de anos da sua história, ficaram à sombra dos gigantescos répteis e dinossauros que dominavam. Só nestes últimos 50 milhões de anos que os mamíferos conquistaram a terra e diversificaram-se. Desde a terra, ao mar e ao ar, os mamíferos aprenderam como sobreviver neste mundo e superaram quase tudo o que as outras espécies fizeram no passado.

Existem 29 ordens de mamíferos que hoje vivem:

  • Mammalia
  • Prototheria
  • Monotremata (ornitorrinco, equidna)
  • Theria
  • Marsupialia
  • Didelphimorphia (gambá, cuica)
  • Paucituberculata (cuíca-musaranho)
  • Microbiotheria (colo-colo)
  • Notoryctemorphia (toupeira-marsupial)
  • Dasyuromorpha (diabo-da-tasmânia, gato-marsupial)
  • Paramelomorphia (bandicutes)
  • Diprotodontia (coala, wombat, canguru)
  • Placentalia
  • Afrotheria
  • Afrosoricida (tenreque)
  • Macroscelidea (musaranho-elefante)
  • Tubulidentada (porco-formigueiro)
  • Hyracoidea (hyrax)
  • Proboscidea (elefante)
  • Sirenia (manatim)
  • Xenarthra
  • Cingulata (tatu)
  • Pilosa (preguiça, tamanduá)
  • Euarchontoglires
  • Scandentia (tupaia)
  • Dermoptera (colugo)
  • Primates (lémur, macaco, chimpanzé, homem)
  • Rodentia (camundongo, rato, hamster, esquilo, castor)
  • Lagomorpha (lebre, coelho, pika)
  • Laurasiatheria
  • Erinaceomorpha (ouriço-cacheiro)
  • Soricomorpha (musaranho, toupeira, solenodonte)
  • Chiroptera (morcego)
  • Pholidota (pangolim)
  • Carnivora (cão, gato, urso, doninha, foca, morsa)
  • Perissodactyla (cavalo, rinoceronte, tapir)
  • Artiodactyla (porco, veado, boi, ovelha, camelo)
  • Cetacea (baleia, golfinho)


A classe Mammalia constitui a subclasse Prototheria que tem a ordem Monotremata e o ornitorrinco é uma espécie desta ordem.

O ornitorrinco, talvez o mamífero mais bizarro do mundo. Estes animais com cauda de castor e bico de pato já existiam no Cretácico com os dinossauros. Partilha com o equidna uma capacidade única entre mamíferos: põe ovos. Quando os ovos eclodem, a fêmea não dá de mamar aos bebés, sendo que o leite escorre pelo ventre e as crias lambem-no. O bico de pato é incrivelmente sensível, detectando ondas eléctricas produzidas pelas suas presas como vermes e moluscos. Mas talvez a mais incrível capacidade do ornitorrinco é o veneno. Não é na verdade veneno, mas toxinas que se situam nas garras das patas posteriores do macho. Ninguém sabe ao certo porque é que desenvolveu toxinas, mas de qualquer maneira é muito útil nas lutas de acasalamento. As toxinas desenvolvem-se principalmente no mês de Junho, que coincide com a data de acasalamento dos ornitorrincos.

Aqui temos um vídeo que mostra o interior do ninho do ornitorrinco:






O equidna é o parente mais próximo do ornitorrinco.

O equidna pode parecer-se muito com o ouriço-cacheiro, do que uma mistura entre mamífero e ave. Mas ele e o ornitorrinco põem ovos o que lhe mostram o parentesco entre os dois mamíferos da Oceânia. Outra relação entre eles é a existência de eletrorrecetores no focinho que detectam as presas. Esse "sexto sentido" é muito comum e aparece em animais desde tubarões a ornitorrincos, mas incrivelmente raro em animais terrestres. O equidna tem ainda um estranho pénis que possui 4 orifícios!!! Não é de estranhar que não se saiba a função desses orifícios.


A subclasse Theria constitui a infraclasse Marsupialia tem a ordem Didelphimorphia que constitui os gambás.

O gambá, ou opossum, pertence a uma ordem de marsupiais que se espalha por grande parte da América. Há 40 milhões de anos, os marsupiais estavam espalhados por todos os continentes, até a Antártida! No entanto, os placentários conquistaram os outros continentes. Já que a Antártida é agora uma terra gelada, os únicos refúgios dos marsupiais são a Oceânia, onde são dominantes, e na América, onde não tiveram grande competição contra os roedores. Na imagem temos o opossum-da-virgínia, muito conhecido por fingir-se de morto em certas situações.


A ordem Paucituberculata são outros marsupiais nativos da América.

Esta caricatura conta uma verdade chocante. Para começar vamos falar sobre a nossa espécie. O macho humano gasta muita energia para produzir sémen que chega a ir cansado para as suas actividades diárias. Então porque não podia acontecer com um mero rato-marsupial. Os machos têm muita comida nas imediações, mas eles preferem acasalar do que ajudar o seu organismo. As fêmeas são inteligentes e alimentam-se normalmente. Já os machos acasalam com várias fêmeas das imediações durante algumas semanas. No fim, o macho, coberto de fome, esteróides e convulsões, morre! A fêmea, no entanto, alimenta-se e traz consigo a próxima geração.


A ordem Microbiotheria constitui um grupo de mamíferos outrora muito abundante.

A ordem Microbiotheria constitui uma única espécie: o colo-colo, ou monito-del-monte. Esta espécie vive numa zona remota dos Andes e está no estatuto de "quase ameaçado". Antes os Microbiotheria espalharam-se pela Antártida, Austrália e América do Sul há 65 milhões de anos, depois da enorme extinção em massa do Cretácico. Mas há 30 milhões de anos, a Antártida transformou-se num enorme continente gelado e extinguiu várias espécies de colo-colos. Na Austrália houve muita competição entre várias espécies de marsupiais e na América do Sul aconteceu o mesmo. O colo-colo agora vive nas regiões remotas dos Andes onde não há tanta competição com marsupiais como os opossums.


A ordem Notoryctemorphia constitui marsupiais especializados para escavar.

A ordem Notoryctemorphia constitui as toupeiras-marsupiais e tal como todos os marsupiais nascem de uma bolsa materna. Não deixem se acreditar pelos desenhos animados em cangurus machos que têm bolsas e ainda por cima as usam para levar coisas. A bolsa só aparece nas fêmeas e alberga as tetas que a cria necessita para sobreviver nas primeiras semanas. A toupeira-marsupial, quando fica adulta, procura alimentar-se de insectos, aranhas e lagartos à noite. De dia refugia-se em galerias subterrâneas como uma autêntica toupeira. No entanto a toupeira-marsupial é mais parente próximo dos cangurus, coalas e diabos-da-tasmânia do que a toupeira placentária.


Na ordem Dasyuromorphia constituímos os principais predadores marsupiais da Austrália, como o diabo-da-tasmânia.

Talvez o mais feio de todos os marsupiais, o diabo-da-tasmânia ainda partilha a ordem com vários outros predadores como o já extinto tigre-da-tasmânia até o exuberante gato-marsupial. Mas o diabo-da-tasmânia tem comportamentos inadmissíveis para os seus parentes. Só existe na Tasmânia, uma ilha pequena da Austrália. A população está assolada por uma terrível doença transmissível apenas por mordidas (e seria de esperar que andassem sempre às mordidelas). Como se não bastasse esta falta de cuidados higiénicos, ainda tinham de lidar com um comportamento sexual desumano. Estes predadores escravizam fêmeas para acasalar!!! A fêmea só fica livre quando fica grávida. Desde que são uns fetos na bolsa da mãe, lutam para encontrar as tetas. A mãe come os que não conseguiram encontrar. Os irmãos que sobrevivem nascem e lutam durante todo o tempo na toca, mesmo quando são adultos lutam juntos para toda a vida até à morte com umas quantas lutas marcadas!!!

Vejam este vídeo de uma luta entre diabos-da-tasmânia (apenas oiçam!):



A ordem Peramelemorphia constitui os bandicutes.

O bandicute-de-focinho-longo-da-Nova-Guiné tem um incrível olfacto para detectar as suas presas. Mas não nos esqueçamos que este pequeno animal também tem inimigos de olho. Os predadores podem estar sempre dispostos a um lanche de bandicute. Os bandicutes parecem mini-cangurus a esgravatar o solo em busca de insectos, minhocas e vermes. A Austrália é a terra de vários animais venenosos desde raias a alforrecas e de serpentes a escorpiões, e um bandicute pode estar em risco. A aranha-teia-de-funil, por exemplo, é uma aranha extremamente agressiva com um veneno super-letal. Já o bandicute tem uma incrível imunidade a venenos de várias espécies, sendo que a aranha costuma fugir do bandicute! De facto são pouquíssimas as espécies de mamíferos que não são imunes ao veneno da aranha-teia-de-funil e, entre eles, estão os humanos. Podemos ter muito azar, mas só 14 pessoas morrem, em média, por aranhas-teia-de-funil em um ano.


A ordem Diprotodonta constitui um marsupial incrível chamado coala.

Os coalas estão entre os animais mais fofos da Terra. Infelizmente, grande parte do seu habitat está a desaparecer o que o torna, para alguns, uma espécie em vias de extinção. E então sobre as suas curiosidades? Bem se tu fores um coala vais ter de passar a tua vida inteira sem beber um único gole de água, mas obtens o H2O de que precisas nas folhas venenosas do eucalipto. Os coalas machos estão longe de serem pacíficos, pois lutam constantemente por território provocando sons roucos e altos. Mas o mais bizarro é a relação da mãe e cria a certa altura. Quando a cria já está na altura de se alimentar de plantas, a mãe dá-lhe um paté de folhas de eucalipto pré-digeridas e... fezes!!! Há alguns animais fofinhos, mas não nos deixemos enganar pelas aparências, pois os seus comportamentos podem ser incrivelmente nojentos!


Um parente próximo do coala é ainda mais surpreendente: o wombat.

Se fosse um animal o que usaria para se defender, fazia sons aterrorizadores? Arranharia o inimigo com as suas garras afiadas? Mordia o inimigo com os seus dentes? O wombat prefere usar o rabo! O seu traseiro é pesado com ossos fortes, ao bater no maxilar de um cão ou de um dingo este pode partir-se. Os wombats já foram, outrora, gigantes! O maior marsupial da Terra foi o Diprotodon, um wombat gigante do tamanho de um rinoceronte que foi extinto há 11 500 anos. Com ele ainda havia outro wombat gigante com uma pequena tromba, chamado de tapir-marsupial, extinto na mesma época. O predador da zona era um invulgar wombat carnívoro chamado de Thylacoleo que morreu ao mesmo tempo que o Diprotodon e que o tapir-marsupial.


O canguru pode não ser parecido com o coala nem com o wombat, mas estes são uns dos seus parentes mais próximos.

O canguru é hoje o maior marsupial. O canguru-vermelho mede 1,8 metros de altura e chega a pesar até 90 kg. É impressionante a maneira como eles se movimentam, saltando com as pontas dos pés. E assim pode chegar aos 60 km/h escapando de dingos, os seus principais predadores. Experimente, ao menos, saltar com as pontas dos pés na frequência que o canguru faz. É difícil, pois nós somos plantígrados, ou seja, o nosso pé toca todo no chão. No canguru é idêntico, mas quando salta usa as pontas dos pés. A maioria dos animais bípedes, costuma ter a cauda balançado o ar, desde o extinto Tyrannosaurus até às aves actuais. Mas o canguru tem a cauda a arrastar no chão, porquê? Os antepassados dos cangurus terrestres são os cangurus arborícolas que usavam a sua cauda preênsil como apoio. Ainda há cangurus nas árvores nas florestas remotas da Papua Nova-Guiné e Queensland (região da Austrália). Quando o canguru terrestre anda, a sua cauda ajuda-o a movimentar como uma quinta pata. Os machos de cangurus-vermelhos têm garras afiadas como navalhas nas patas e dão pontapés aéreos em direcção às partes mais privadas do adversário. Felizmente, os cangurus-vermelhos, nessas ocasiões, têm os testículos encolhidos para dentro! O canguru não salta no ar e dá pontapés para o adversário, a cauda está literalmente a segurar 90 kg de um canguru a dar um pontapé aéreo para o inimigo!


A infraclasse Placentalia tem a superordem Afrotheria que constitui a ordem Afrosoricida: os tenrecs.

O tenrec é um placentário, isso significa que as crias nascem na placenta, por outras palavras, pela barriga da mãe. O tenrec pode se assemelhar a um ouriço-cacheiro, mas é mais parente do elefante! Os tenrecs vivem em Madagáscar e estão munidos de espinhos para se defenderem de predadores como as fossas. Têm um olfacto muito apurado para detectar as suas presas que vão desde larvas a camaleões! Das 4600 espécies de mamíferos na Terra, o que tem mais crias é o tenrec-comum. Uma ninhada foi registada com 31 crias, sendo que só uma morreu ficando 30.


A ordem Macroscelidea constintui o musaranho-elefante.

Existem 19 espécies de musaranhos-elefantes e todas vivem em África. É fácil perceber o porquê, mas para além disso o elefante é um dos seus parentes mais próximos. São pequenos saltadores do deserto, escapando de predadores variados desde fenecos, corujas, caracais, varanos, víboras e chacais. O musaranho-elefante já foi incluído na ordem Insectivora, agora dividida em Erinaceomorpha e Soricomorpha, e também já foi incluído na ordem Lagomorpha.

Aqui temos um vídeo sobre o musaranho-elefante, com a participação de David Attenborough:



A ordem Tubulidentata constitui o porco-formigueiro.

Este estranho animal com um focinho de porco alongado, orelhas de coelho e cauda de canguru vive em África e é especializado na caça de térmitas. Usando a sua longa língua consegue apanhar as térmitas. Ele é nocturno, sendo muito difícil de se encontrar e de dia dorme em tocas e esconderijos subterrâneos. Este animal usa as suas enormes garras para desmoronar as colónias de térmitas, sendo o "terror das térmitas".


A ordem Hyracoidea constitui os hyraxes.

Existem 4 espécies de hyraxes espalhados pela África e Médio Oriente. Estes são os parentes mais próximos dos elefantes, porquê? Apesar de se parecerem com cobaias, têm as pontas dedos semelhantes às unhas dos elefantes, enquanto que as cobaias e outros roedores têm garras. Os hyraxes também têm predadores, sendo o principal a águia-de-verreaux. Vivem preferencialmente em montanhas rochosas desde as montanhas da Síria até à África do Sul. "Espanha" pode ter recebido o seu nome devido aos hyraxes. Quando os Fenícios chegaram a Espanha, viram muitos coelhos e lembraram-se dos hyraxes. Hyrax e coelho significavam a mesma coisa ("saphan" em fenício) que pode ter originado o "span" e chamaram a essa terra Espanha ("terra dos coelhos" em fenício).


A ordem Proboscidea constitui os elefantes.

O elefante pertence a uma linhagem que remonta há 60 milhões de anos (apenas 5 milhões de anos após o fim da era dos dinossauros). Agora só existem 3 espécies de elefantes: o elefante-da-savana (na imagem), o elefante-da-floresta e o elefante-asiático. Os elefantes são hoje os maiores animais terrestres chegando a medir 7 metros de comprimento e pesar 6 toneladas. Têm uma tromba incrivelmente útil para pegar em paus, ferramentas e até desenhar e pintar! As orelhas dos elefantes-africanos ajudam a dissipar o calor. No caso da comunicação, muitas vezes usam infra-sons (sons que o ser humano não ouve) e que são muito úteis para alertar sobre a existência de perigo, de alimento, água e até de acasalamento. As presas são possantes! Nos elefantes-asiáticos as presas só aparecem nos machos. Mas nos elefantes-africanos alguns machos podem possuir presas com 3 metros de comprimento que mais parecem de mamute, já para não falar que as presas também aparecem nas fêmeas desta espécie. As presas são úteis para lutar, escavar, impressionar e arrancar casca das árvores. Infelizmente, esta incrível adaptação foi alvo de caça furtiva e de mortes de vários elefantes... e também humanos. Os elefantes estão entre as criaturas que mais matam pessoas por ano e fazem-no para sua própria defesa!



Aqui temos um vídeo que mostra o que aconteçe quando os elefantes se sentem ameaçados:



A ordem Sirenia constitui os manatins.

Os manatins parecem mais focas do que parentes dos elefantes, mas o focinho flexível não engana um especialista. Esse focinho é perfeito para pastar em planícies de algas e ervas marinhas e não para caçar peixes e moluscos como as focas. Em tempos antigos os manatins eram abundantes nos mares tropicais e os marinheiros por vezes cruzavam com eles, talvez este animal inspirou a lenda das sereias. Por essa razão o nome da ordem dos manatins tem o nome Sirenia.


Aqui temos um vídeo de um manatim a beber água de uma mangueira (esqueci de dizer que eles precisam de beber água doce e não absorvem muita água das plantas que come):



A superordem Xenartra tem a ordem Cingulata que constitui o tatu.

Este é o tatu-bola. É conhecido por se enrolar numa bola com a sua armadura flexível. O tatu alimenta-se de insectos, vermes e alguns vegetais. Existem várias espécies de tatus sendo o mais pequeno e mais bizarro o tatu-galinha. Ele "nada" na areia do deserto americano e em terreno rochoso anda nas pontas dos dedos. Os tatus também são incríveis nadadores, mas para os que têm a armadura muito pesada eles sustêm a respiração e caminham no fundo. O maior tatu é o tatu-gigante que vive nas florestas da Amazónia. Mas o maior que já alguma vez existiu era do tamanho de um Volkswagen Fusca! Era o Glypytodon um tatu com uma enorme carapaça (nunca conseguia fechar-se numa bola) e uma cauda com a ponta inchada com espinhos. Infelizmente foi extinto há 10 000 anos no fim da idade do gelo.


A ordem Pilosa constitui a preguiça.

As preguiças são talvez os mais engraçados dos Xenartra devido à sua lentidão, expressão facial e curiosidades. Se lhe deram o nome de preguiça é porque deve estar sempre a dormir, mas o facto é que está muito mais acordada do que a gente pensa. Talvez o nome deve-se ao facto de andar a 0,25 km/h como quem não dormiu bem a noite. No entanto elas são muito boas a nadar! Este animal lento tem uma capacidade incrível para nadar longas distâncias. Também não é muito higiénica tendo o corpo coberto de líquenes e algas que lhe dão um tom verde para se confundirem na floresta. São o lar de 3 espécies de carrapatos e de uma traça: a traça-da-preguiça. E, apesar de se parecer com um macaco, ela é o parente mais próximo dos ursos-formigueiros e tamanduás! Houve ainda uma preguiça gigante do tamanho de um mamute chamada Megatherium e usava as suas enormes garras para colher folhas e ramos das árvores.


O tamanduá, ou urso-formigueiro, é o parente mais próximo da preguiça.

O tamanduá, ou urso-formigueiro, ou ainda papa-formigas, constitui uma variedade de espécies sul-americanas que usam o seu longo focinho que dispara uma língua comprida e pegajosa para as formigas e térmitas. O tamanduá-mirim é um arborícola pois vive nas árvores. Já o tamanduá-bandeira, ou urso-formigueiro-gigante, permanece em terra e é um "estrondo". Lembra-se quando falamos sobre o Megatherium na categoria da preguiça? Ninguém sabe o estilo de vida deste gigante pré-histórico, mas podemos vê-lo no tamanduá-bandeira. Porque raio lhe chamaram de urso-formigueiro? Três razões: 1 - é grande e corpulento; 2 - tem garras poderosas como o urso; 3 - pode ser muito perigoso! O tamanduá-bandeira tem garras poderosas para se defender de predadores desde pumas, jaguares, caimões, anacondas e até humanos! Talvez o Megatherium também usasse as garras para defesa própria contra tigres-de-dentes-de-sabre, por exemplo.


A superordem Euarchontoglires constitui a ordem Scandentia que tem as tupaias.

As tupaias já existiam há 45 milhões de anos. O seu antepassado mais antigo é o Purgatorius que viveu há 65 milhões de anos. Esse pequeno animal não tinha grande diferença comparado com a tupaia de hoje, por isso o Purgatorius devia ser muito semelhante à tupaia na imagem. Acredita-se que as tupaias foram os antepassados dos primatas, mas hoje só existem nas remotas florestas do sul da Ásia. As tupaias alimentam-se de insectos, larvas, vermes, ovos e frutos daí o nome de musaranho-arborícola que tem uma dieta semelhante para além da aparência física. No entanto tem muito mais a ver connosco do que com os musaranhos.


A ordem Dermoptera constitui os colugos.

Os colugos são talvez os maiores planadores de hoje, sem contar com aves grandes como o albatroz e o condor que aproveitam as correntes de ar quente ascendente para planar. Estes animais podem parecer esquilos-voadores, mas são mais parentes dos lémures, daí o seu outro nome lémur-voador. Graças às suas enormes membranas entre os membros consegue planar de árvore em árvore tal como vários animais das vizinhanças. Os colugos vivem no Sudeste Asiático, um mundo onde muitas espécies desenvolveram a capacidade de planar desde cobras-voadoras, rãs-voadores a lagartos-voadores e esquilos-voadores-gigantes.


Aqui temos um vídeo sobre os colugos, narrado por David Attenborough:



A ordem Primates constitui várias espécies incluíndo os lémures ou lêmures.

O mais engraçado dos primatas, lembra mais um esquilo ou um coati, do que um mero macaco que sobe nas árvores. Mas ao contrário do esquilo ou do coati, este lémur-de-cauda-anelada possui mãos preênseis perfeitas para agarrar e desprovidas de garras. Os lémures só existem em Madagáscar e encontram-se várias espécies lá. O maior é o indri com 90 centímetros, e o menor dos primatas é o lémur Microcebus murinus com 11 centímetros. Ainda há os sifacas que saltam de árvore em árvore como cangurus. E o ai-ai que tem um enorme dedo no meio para apanhar insectos em buracos nas árvores. Os lémures têm muitos parasitas, por isso mordem milípedes para extrair algumas substâncias tóxicas e espalha-as no pêlo para repelir parasitas. O problema é que tem de lamber o pêlo para espalhar as toxinas e sem querer ingerem um pouco. O resultado é um lémur bêbado, literalmente!


Outro primata muito conhecido é o macaco.

Na taxonomia os macacos constituem todos os Haplorrhini (saiba mais em "Primatas") sem contar com os társios, gibões, humanos e outros grandes símios. Os macacos ainda estão providos de uma cauda (sem contar com o macaco-de-gibraltar). O mais pequeno de todos os macacos é o da imagem: o saguim-pigmeu. Este macaco costuma fazer lutas para conseguir defender as suas áreas de alimento. Existe um macaco muito maior chamado macaco-uivador que prolonga o seu enorme uivo prolonga-se por 10 km!


Este vídeo mostra macacos-capuchinho a usar ferramentas para partir frutos secos:



Um parente próximo do macaco é o símio chimpanzé.

Agora sabemos que símios, como orangotangos, gorilas e chimpanzés, não são macacos. E até faz algum sentido porque nós somos símios e acho que não queriam ser chamados de macacos. O chimpanzé é o mais inteligente de todos os símios graças a uma incrível variedade de adaptações. Pode fabricar lanças para caçar macacos, usar pequenos galhos para apanhar térmitas e ainda possuem uma inteligente variedade de expressões faciais e de comunicação. Há ainda chimpanzés que aprenderam a criar a sua própria linguagem, por exemplo, com a chimpanzé Washoe. A Washoe falava com os humanos a partir da língua gestual americana e inventava algumas palavras a coisas que não sabia o nome. Por exemplo chamava "fruta de beber" ao melão e "pássaro da água" para cisne.


O homem deve ser talvez o mais adaptável de todos os primatas.

Se tu fosses um tatu devias saber muita coisa sobre a tua própria espécie. O mesmo aconteceria se tu fosses um tubarão. Ou uma abelha. Ou um golfinho. Bem, olhemos para nós próprios. Seja sincero há coisas que não sabe acerca da sua própria espécie: o ser humano. Em um único segundo substitui 275 000 células. Pode partir mais facilmente o betão do que o seu próprio fémur. Os nossos olhos ficam sempre do mesmo tamanho. A barba humana chegaria a 30 metros de comprimento se nunca fosse cortada! Mas o que mais impressiona o humano é a capacidade incrível de pensar e pôr a sua inteligência à prova muito mais facilmente que o polvo, o chimpanzé, o corvo, o elefante, o orangotango e o golfinho. Mas há coisas que esses animais referidos conseguem fazer muito melhor que os seres humanos. Apesar de alguns animais, como o polvo a mudar de cor, o corvo a detectar luzes ultravioleta e o elefante a detectar vibrações nas patas, terem capacidades incríveis isso já se deve ao facto de terem a anatomia necessária para tal feito. Mas e o golfinho a comunicar com o seu feto dentro da sua barriga? Nós podemos fazer isso e já nos tempos em que o bebé se desenvolve na barriga da mãe consegue distinguir a sua voz, só que nós não temos a consciência dessa possibilidade! O orangotango cospe água para um tubo estreito de maneira a que o amendoim no fundo consiga flutuar para cima e o símio consiga apanhar o alimento. Alguns humanos têm dificuldade em resolver esse problema, mesmo corvos podem atirar primeiro as bolas mais pesadas para aumentar o nível da água de um tubo para apanhar uma larva. Mas o mais incrível é um chimpanzé que consegue memorizar 25 números e as suas posições em um microssegundo e pô-los em ordem muito rapidamente! O ser humano nem tenta!!!


A ordem Rodentia constitui o camundongo.

O camundongo, ou rato-doméstico, tem o nome científico Mus musculus. A espécie é tão comum que deram à sua família o nome de Muridae. O rato-doméstico não tem este nome devido à domesticação deste animal, apesar de estar a ser relativamente mais comum como animal de estimação, mas devido à proximidade com o ser humano. O rato-doméstico pode transmitir doenças graves como a anteriormente comum "peste negra". Originalmente acusada aos gatos, eram os ratos que traziam a doença nas suas entranhas. As pulgas dos ratos alimentavam-se do sangue de roedor, com uma pitada de morte, para depois picar num humano e transmitir a doença. Os ratos são hoje apenas mais um chato roedor para uns, um incrível animal de laboratório para outros e mesmo até um incrível animal que merece um lugar na Terra! Uma pequena curiosidade: sabiam que os ratos morrem mais depressa de sono do que de fome?


Existem outras espécies de ratos que tenho de referir.

Das variadas espécies de ratos incluímos, primeiro, os ratos-do-campo. Os ratos-do-campo constituem várias espécies entre eles a mais conhecida é o rato-do-campo-comum. É nativo de Portugal e do resto da Europa. Também é conhecido por "rato-saltador" porque ele pode fugir saltando com as patas traseiras como um canguru. Ainda temos as ratazanas, que são propriamente grandes ratos. As ratazanas não são as fêmeas dos ratos, mas podem acasalar com eles. Mas também é pouco provável, pois as ratazanas são inimigas dos ratos pois estas podem comer-lhes as crias. Agora uma pergunta: será que os elefantes têm mesmo medo de ratos? Não me parece, mas há elefantes que se assustam com abutres pois estes atraem predadores indesejados, também se assustam com bandos enormes de pássaros e até de formigas-legionárias!!!


O hamster é outro roedor muito conhecido como animal de estimação.

O hamster-dourado é a espécie mais famosa de hamster pois é uma entre as 5 espécies de hamster domesticadas. Existem várias raças incluíndo o hamster dourado rubino, o hamster isabel seda, o hamster isabel beje, o hamster branco albino, o hamster castanho seda e o hamster malhado branco. Esta espécie é apenas uma entre muitas outras nativas da Europa, África e Ásia. existem 16 espécies de hamster: o hamster-do-campo-europeu, o hamster-romeno, o hamster-turco, o hamster-ciscaucasiano, o hamster-ladak, o hamster-listrado-chinês, o hamster-mongol, o hamster-de-eversmann, o hamster-chinês, o hamster-tibetano, o hamster-de-cauda-longa, o hamster-armênio, o hamster-dourado, o hamster-anão-russo-campbell, o hamster-anão-russo-winter-white e o hamster-roborovski. O hamster-do-campo-europeu tem a barriga negra para confundir os predadores. É normal os animais terem a barriga clara, por isso uma barriga negra confunde os predadores. Os hamsters ainda têm de roer constantemente os alimentos para desgastá-los. Se não estivesse sempre a roer os seus dentes iriam enrolar para dentro e iria arranhar o céu da boca!


Outro roedor incrível é o esquilo.

Existem 279 espécies de esquilos, mas só existe uma espécie portuguesa. O esquilo-vermelho, na imagem, já foi extinto em Portugal, mas foi introduzido pelos espanhóis no século XVI. Apesar do nome ele nem sempre tem esta coloração. Durante o inverno ele fica com um tom escuro e preto. Outra característica são os longos pêlos nas orelhas. Na Inglaterra o esquilo-vermelho está em vias de extinção devido ao seu inimigo norte-americano esquilo-cinzento. Ainda há muitos outros esquilos como o esquilo-voador, o esquilo-do-deserto, o espermófilo-europeu e, acreditem ou não, a marmota que é um tipo de esquilo terrestre com uma cauda muito pequena.


Aqui temos um vídeo que fala sobre o esquilo-voador:



O castor é um dos maiores roedores do mundo.

O castor, a seguir da capivara, é o segundo maior roedor do mundo. O castor divide-se em 2 espécies: o castor-americano e o castor-euroasiático. Podemos certamente saber onde as duas espécies vivem a partir do seu nome. As duas constroem um território a partir de árvores cortadas e barragens feitas de ramos, no interior temos a casa principal onde os castores dormem, acasalam e fazem o parto. Para lá entrar, os castores têm de nadar e entrar por baixo. As barragens de castores são feitas a partir de troncos e ramos e ainda fortalecidos com pedras. Estas barragens podem ainda abranger lagos, estuários e fozes. A maior barragem alguma vez construída por castores mede 850 metros, foi descoberta em Maio de 2010. Este enorme dique foi descoberto no Google Earth, por isso a imagem do dique já estava lá desde 1990. Acredita-se que o dique foi construído nos anos 70 e passado para várias gerações.


A ordem Lagomorpha constitui herbívoros como a lebre.

É um bocadinho estranho de pensar que as lebres e coelhos não são Rodentia (roedores). Mas a verdadeira diferença entre roedores e lagomorfos é de que os últimos têm quatro incisivos na mandíbula superior e os roedores têm dois. Pode ser uma diferença quase insignificante, mas é o suficiente para mudar a classificação. Os dentes são uma grande diferença, mas eles não podem gozar da sorte, pois os lagomorfos, tal como os roedores, deixam os dentes crescer constantemente se não roerem nada! No entanto, as lebres são muito maiores do que a maioria dos roedores. E as lebres são tão agressivas como alguns. As lebres são "cangurus placentários" devido aos machos que lutam na época de acasalamento com as pontas dos pés. A lebre-árctica pode mudar de cor! Não é como vocês devem estar a pensar, pois a lebre-árctica muda constantemente o pêlo. Fica branco no Inverno e castanho no Verão.


Um parente próximo da lebre é certamente o coelho.

Se quiséssemos saber quais são as raças mais estranhas de coelhos, então esta bolinha peluda chamada de "american fuzzy lop" estaria entre elas. Mas não nos esqueçamos que o primeiro coelho foi muito diferente. Todos os coelhos-domésticos espalhados pelo Mundo para alimentação, domesticação e até estudo laboratorial tiverama sua origem nos coelhos-bravos da Península Ibérica. A popularidade dos coelhos ibéricos tornou-os um importante recurso e foi espalhado pela Europa e mais tarde em todo o Mundo. O coelho-bravo também foi introduzido no resto da Europa, no sul da América do Sul, na Austrália e na Nova Zelândia.


Aqui temos um vídeo de uma espécie de coelho em vias de extinção nativa do Japão, chamada de coelho-de-amami:



A pika pode se parecer com um roedor mas é mais parente dos coelhos e lebres.

O que distingue a pika dos roedores é um pouco complicado de se ver. A pika tem 4 incisivos na mandíbula superior e não dois como os roedores. No entanto eles vivem na América do Norte e na Ásia em montanhas altas e isoladas. Se tu te aproximares de uma pika cautelosamente podes ter a sorte de uma delas se aproximar de ti como se não fosses uma ameaça. As pikas têm como alimento preferido flores. Conhecem o Pikachu das séries de Pokémon? Bem, o Pikachu, acreditem ou não, é uma pika!


A superordem Laurasiatheria constitui a ordem Erinaceomorpha que tem os ouriços-cacheiros.

O ouriço-cacheiro é um animal muito engraçado. Não se deve confundir com um porco-espinho, pois este é um roedor. O ouriço-cacheiro não está interessado em roer plantas, ele é um predador! Bem ele apanha vermes, insectos, caracóis, lesmas, rãs, lagartos, ovos de aves e até ratos! Mas um fruto caído não faz mal de vez em quando. O maior problema está na Inglaterra, apesar de aqui eles morrerem muitas vezes de pesticidas e atropelamentos, nessa zona os ouriços tornaram-se obessecados por ovos de aves e estão a ameaçar a população! O mais bizarro nos ouriços-cacheiros é de que alguns aprenderam a apreciar o sabor a tinta e tabaco! Depois de ingerirem esses produtos tóxicos produzem uma saliva e cobrem-na sobre os picos. Ninguém sabe ao certo o porquê, mas talvez deva ser para os predadores terem a ferida ainda mais infeccionada quando se pica em espinhos intoxicados. Não é a primeira vez que um ouriço se expõe a produtos tóxicos e letais. O ouriço-do-deserto caça escorpiões e serpentes venenosas, este veneno era capaz de matar um elefante facilmente, mas o ouriço tem uma capacidade de imunidade incrível conseguindo resistir ao veneno.


A ordem Soricomorpha constitui por exemplo o musaranho.

Não fique mal se pensou que a ordem Insectivora existe. Para quem não sabe a ordem Insectivora era uma ordem antiga que constituía os tenrecs, os ouriços, os musaranhos, as toupeiras, etc. Hoje é dividida em 3 ordens: a Afrosoricida, a Erinaceomorpha e a Soricomorpha. Esta última ordem tem os musaranhos, na imagem temos o mais pequeno: o musaranho-anão. Este musaranho tem de estar constantemente a comer, pois pode morrer de fome em apenas 12 horas! No Inverno, o musaranho Blarina brevicauda paraliza minhocas decapitadas com a sua dentada venenosa. As minhocas tornam-se zombies sem cabeça à espera de serem comidos vivos. Este musaranho vive na América do Norte, mas na Europa, incluindo em Portugal, existe o musaranho-de-água-europeu que paralisa caracóis, peixes e rãs com o seu veneno. Num humano, o veneno não é mortal, mas pode causar dores insuportáveis!!!


A toupeira é um parente próximo do musaranho e vive debaixo da terra.

A toupeira-comum, talvez a mais conhecida de todas as toupeiras europeias. A toupeira existe em todos os continentes excepto na Antárctida e na Oceânia. As patas largas ajudam a escavar a terra em busca do seu alimento. Elas alimentam-se de minhocas não de raízes de plantas, mas só que elas escavam muito à superfície durante a noite e estragam as colheitas sem querer. Elas não constroem galerias como os roedores, pois elas são pouco sociais. E não são cegas, são quase! Devido à falta de olhos sofisticados dedicam-se ao olfacto. Talvez, a toupeira que mais se dedicou ao olfacto apurado foi a toupeira-nariz-de-estrela com 22 tentáculos na ponta do seu nariz!


O solenodonte é um animal pré-histórico da América.

Se já ouviram falar sobre o solenodonte neste blog (saiba mais em "Répteis") então esta é a aparência em que eu me estava a referir. Imaginem este pequeno animal a caminhar debaixo das pernas de um Tyranosaurus rex não fazia sentido? Este mamífero primitivo ainda persiste nos dias de hoje a caminhar na noite das Caraíbas. É lento e desajeitado fazendo um bom petisco para os gatos e cães da região, aliás é esta ameaça que o solenodonte enfrenta como animal em vias de extinção. Também está munido de uma dentada venenosa, mas raramente morde para se defender. Ainda por cima, o veneno está armazenado nos dentes e não pode tocar o veneno com a pele, pois ele não é imune ao seu próprio veneno!


A ordem Chiroptera constitui os únicos mamíferos voadores: os morcegos.

Seria um erro grave excluir os morcegos desta página. Os morcegos são os segundos mamíferos mais numerosos da Terra, a seguir aos roedores. E os morcegos também têm incríveis curiosidades! O morcego-nariz-de-porco-de-kitti é o mamífero mais pequeno do mundo, sendo que 3 deles caberiam no seu dedo! O maior é a raposa-voadora com olhos enormes para ver bem, come fruta e tem asas de 1 metro! O morcego-vampiro lambe o sangue das vítimas e pode transmitir raiva! O morcego-pescador pesca peixes com as suas patas e pode mesmo ser apanhado em linhas de pesca! Mas o mais bizarro é o Dyacopterus spadiceus que, por incrível que pareça, os machos podem produzir leite com frequência! Não se sabe porquê, mas pensa-se que é devido a moléculas vegetais que o macho ingere e que imitam as hormonas femininas. Outra hipótese é de que realmente produz leite para amamentar as crias! Um facto: os morcegos são quase cegos (excepto a raposa-voadora) e precisam de fazer estalidos que fazem eco nas paredes e nos objectos. Sabendo a distância a que o som bate contra os objectos, consegue orientar-se. A isso chama-se ecolocalização e também é útil para detectar presas.


Aqui temos um vídeo para conhecerem o maior morcego do mundo:



A ordem Pholidota constitui os bem protegidos pangolins.

Qual seria o parente mais próximo do pangolim? O tatu, o urso-formigueiro ou o porco-formigueiro, diriam alguns. Mas eu digo que são os grandes predadores. Sim, o leão, o cão, o urso, a doninha, a foca, a hiena e o panda são todos os parentes mais próximos do pangolim. Não me perguntem porquê, mas todos eles pertencem ao grupo Ferae, por mais diferentes que sejam! Mas o pangolim é um tanque da natureza, com as suas escamas duras (que são de facto pêlos transformados em placas) que o tornam ainda mais flexível que o tatu. Enrola-se totalmente numa bola, mas isto não engana os predadores mais inteligentes: os humanos. Toneladas e toneladas de pangolins são vendidos ilegalmente por ano para comida em restaurantes asiáticos. Se o conhecerem bem, o pangolim é um animal pacífico e bonito e não um almoço.


A ordem Carnivora constitui vários animais predadores incluindo o melhor amigo do homem: o cão.

O melhor amigo do homem, o Canis lupus familiaris, pertence à família dos canídeos que constitui várias espécies desde as pequenas raposas ao caçador social chamado de lobo (saiba mais em "Canídeos"). O lobo é o antepassado directo dos cães. Não há registos arqueológicos que mostrem aonde é que o cão surgiu pela primeira vez, mas estudos genéticos mostram que essa origem teve lugar algures na Ásia Central. Hoje são úteis para inúmeras tarefas, desde polícia, a salva-vidas, pastor e mesmo astronauta (como aconteceu com a famosa cadela Laika). Eles são ainda incrivelmente inteligentes, um Border Collie chamado Rico conseguia reconhecer mais de 200 palavras humanas, e ainda um cão que conseguia resolver raízes quadradas, suficiente para ajudar os seus donos nos trabalhos de casa (suportaria um cão como este?).


O gato é um membro da família dos felinos.

Estou a arriscar em dizer que o gato é o segundo melhor amigo do homem e, talvez, o melhor amigo da mulher. E, deixem-me confessar, já estou farto desses programas de gatinhos fofos. Eu quero aqui falar sobre as incríveis verdades do gato-doméstico. Onde surgiu: Médio Oriente. Quando surgiu: 9000 anos. Curiosidades: pénis com espinhas, a maioria dos gatos é canhota ou ambidestra, a irresistível pupila redonda e grande só acontece à noite (não é como no filme Gato das Botas) e que há gatos com sete dedos! Não nos devemos esquecer de que os gatos são os mais pequenos de todos os felinos. Mas há uma curiosidade em toda esta fofura felina. Não é verdade que o seu ronronar às vezes é irresistível (eu tenho um gato eu sei como é que é), o facto é que não fomos nós que domesticamos o gato, mas foi ele que nos domesticou a nós!


Aqui temos um vídeo em câmara lenta de uma caça de gato:



O urso é o maior Carnivora terrestre do mundo.

O maior carnívoro terrestre (o maior da ordem Carnivora é o elefante-marinho) é o urso-polar com 3,6 metros de altura quando em pé. O nome científico do urso-polar é Ursus maritimus que significa "urso marítimo". O facto é que ele não foi feito para nadar no mar, mas para andar no gelo e caçar focas a partir de buracos no gelo. Outros ursos são o urso-pardo que caça salmões a partir de cascatas e o panda-gigante que passa a maior parte do tempo acordado a comer bambu. O panda tem de o fazer pois o bambu tem muitas poucas calorias. O panda também tem o período de gestação mais variado, que variam entre semanas a meses! O urso-malaio é o urso mais pequeno do mundo e um dos mais ameaçados. Estão munidos de uma língua comprida e de garras longas para derrubar colmeias e lamber o mel.


O mais pequeno dos Carnivora é a doninha.

Estariam a pensar na doninha-fedorenta, preta e branca. O facto é que ela é muito grande comparada com o carnívoro mais pequeno, já para não falar que não é uma doninha a sério. Existem diversas espécies de doninhas, mas têm nomes diferentes: por exemplo, o arminho, o vison e o furão. No entanto, a doninha-europeia é a mais pequena de todos os carnívoros com 11 centímetros de comprimento. Um parente, o arminho, tem uma técnica de caça bizarra. O arminho salta aos rodopios e brinca no meio da erva, à medida que se aproxima das suas presas, geralmente coelhos. Os coelhos ficam quase hipnotizados e concentrados no arminho que nem reparam no golpe final que o pequeno predador vai fazer.


A foca é um carnívoro marinho.

Por muito tempo que as focas foram incluídas na ordem Pinnipeda, juntamente com os leões-marinhos e morsas, mas estudos demonstram que os "heterodentes" (dentes diferentes) têm uma semelhança com os outros Carnivora: incisivos para cortar a carne, caninos para rasgar a carne e molares para esmagar a carne e os ossos. Dessa maneira as focas estão introduzidas na ordem Carnivora. As focas são nadadoras incríveis aguentando 90 minutos debaixo de água. A foca-de-weddell é o mamífero que vive mais a Sul. Esta nada longos períodos de tempo debaixo de água na caça de crustáceos e volta para o buraco no gelo para respirar. Muitas delas nunca nadaram em mar aberto, mas sempre debaixo do gelo! A foca-leopardo tem mandíbulas poderosas para caçar pinguins e rasga-os com uma só dentada! O elefante-marinho é o maior Carnivora devido aos seus 6 metros de comprimento. O macho da espécie está provido de uma espectacular tromba que produz sons gorgolejantes.


A morsa não é uma foca e vive no Árctico.

A morsa é um animal muito grande. Devido aos seus 5 metros é uma presa muito difícil para o predador de topo: o urso-polar. Com os seus longos dentes caninos consegue movimentar-se no gelo e lutar com rivais. Ambos machos e fêmeas têm e são úteis para várias tarefas. Como vivem em grupos numerosos, as crias podem perder as suas mães para sempre, com sorte uma outra fêmea pode adoptá-las. Protegem-se facilmente do frio devido a uma grande camada de gordura. Devido ao pouco espaço que têm na costa, algumas morsas sobem as colinas de erva para descansarem. Infelizmente, as morsas não foram feitas para escaladas e se escorregarem espera-lhes uma queda de 20 metros ou mais!


A ordem Perissodactyla constitui herbívoros como o cavalo.

O cavalo pertence a uma de duas ordens de herbívoros com cascos: a Perissodactyla. O que distingue a ordem Perissodactyla da outra ordem, Artiodactyla, é que o número de cascos é ímpar e na Artiodactyla é par. O cavalo, por exemplo, tem um casco em cada pata. O cavalo surgiu há 6000 anos na Ásia Central e foi descendente do cavalo-de-prevalski. Hoje em dia o cavalo-de-prevalski é uma espécie em vias de extinção e é protegida. Hoje o seu descendente é a espécie mais numerosa de perissodáctilos no Mundo. Os cavalos são usados para corridas, transporte e alimentação. Aparecem em numerosas raças e tamanhos. O pónei é por vezes chamado como não sendo um cavalo, mas o facto é que é um cavalo mais pequeno e mais peludo na crina.


O rinoceronte é o parente mais próximo da família dos cavalos.

Podem parecer inconfundíveis, mas para alguns não surpreenderia que os parentes mais próximos dos rinocerontes são animais como hipopótamos ou elefantes. Mas o grande porte destes animais está mais relacionado com o dos cavalos do que com hippos. Tal como os cavalos ele tem um número ímpar de cascos (três no caso do rinoceronte e um nos da família dos cavalos) enquanto que os hipopótamos têm quatro cascos, um número par. Mas o que mais os distingue e qualquer outro mamífero são os chifres. Os chifres são duros e afiados, mas não são feitos de osso, mas sim de pêlo! Sim são feitos de pêlo endurecido e, infelizmente, é a causa de extinção da maioria das espécies de rinocerontes. Em 2011, o rinoceronte-negro-ocidental foi extinto devido à caça furtiva!

Aqui temos um vídeo que fala sobre a extinção do rinoceronte-negro-ocidental:



O tapir é outro parente bizarro do rinoceronte.

Este herbívoro é muito bizarro! Com uma pequena tromba, a cor de uma raça qualquer de porco e a adorável mania de se banhar em rios. O tapir é habitante do Sudoeste da Ásia, América Central e do Sul e parece uma mistura entre elefante, porco e hipopótamo, mas é mais parente do rinoceronte. Podem ser tímidos, mas nunca chegam a ser agressivos com o homem. Existem 5 espécies vivas, sendo que a última foi descoberta em 2013: o tapir-pretinho. Já tinha sido descoberto por alguns índios das localidades, mas só foi reconhecido pela ordem científica em 2013. O tapir-pretinho foi o primeiro tapir a ser descoberto desde 1865 e o maior animal descoberto em 2013.


A ordem Artiodactyla constitui animais herbívoros (ou omnívoros) como o porco.

O porco, hoje útil para várias tarefas. Para uns é comida, para outros é para procurar comida, fazer testes de laboratório e até salvar pessoas. Por exemplo, uma porca ajudou a salvar a sua dona de um ataque cardíaco avisando condutores passageiros para avisar o médico e salvar a senhora. Esta é uma estratégia inteligente. Os porcos são usados também para resolver problemas e farejar alimento no subsolo como trufas e cogumelos. Julga-se que eles também são capazes de ter auto-consciência e de reconhecer o seu próprio eu no espelho. Os porcos também podem ser agressivos. Os porcos que escapam de quintas podem tornar-se selvagens, a esses porcos chamam-se porcos assilvestrados. Um desses porcos foi abatido e chegava até 2 metros!


O veado é outro herbívoro.

Este bebé de veado é chamado de corço. Este corço, quando nasceu, teve cerca de 7 minutos para aprender a mamar, a andar e a correr. Comparado com seres humanos isto é apenas um piscar de olhos! Quando crescer o corço precisa de aprender a comer plantas e a fugir de predadores com os humanos. Quando crescerem as hastes vai ter de as usar com cuidado para evitar parti-las ou mantê-las presas nas hastes de outro veado. Aí o macho veado vai comandar o seu grupo de fêmeas até ao fim. Existem outros espécies de veados sem ser o veado-vermelho (aquele a que eu referi) como o muntjac com dentes caninos, úteis para comer pequenos animais e arrancar ervas. O Megaloceros, um alce extinto, tinha hastes com 2 metros de envergadura.


O boi é outro herbívoro muito conhecido.

O boi é, com certeza, o macho da vaca. Bem um macho castrado, originalmente usado como boi de carga. Os bois passam a maioria do tempo a pastar e precisam de digerir toda aquela verdura com vários "estômagos". A herbívoros com este tipo de sistema digestivo chamam-se ruminantes e constituem os bovinos, os caprinos, os ovinos, os antílopes, os camelos e as girafas. O boi é o equivalente a um touro castrado. Os touros são muito mais agressivos e pulsam com testosterona. Aquele enorme boi podia dar um enorme e perigoso touro! Uma espécie de bovino chamado de boi-almiscarado tem cornos com 7 centímetros de espessura e um crânio de 10 centímetros de espessura para dar as suas estrondosas cabeçadas.

Aqui temos um vídeo que mostra a luta entre bois-almiscarados:



Apesar de o boi-almiscarado ser um bovino está mais aparentado com as ovelhas do que com bois.

A ovelha é um ovino, claro, mas pertence à mesma família dos bois, cabras e antílopes. Podem ter enormes diferenças de tamanho (90 centímetros até 3 metros) e de distribuição geográfica (do Alasca ao Sudoeste Asiático), mas os bovídeos são a família de ruminantes mais bem sucedida do Mundo, comparado com os camelídeos (6 espécies) e com os girafídeos (2 espécies). Já os bovídeos constituem cerca de 140 espécies! As ovelhas pertencem a esta família e à subfamília Caprinae (que também constitui as cabras e os bois-almiscarados). As ovelhas estão cobertas de lã e que é usada para fazer roupa e outros materiais. O seu parente próximo, o boi-almiscarado, tem pêlos que podem chegar a 1 metro, os mais longos pêlos de qualquer outro animal conhecido. O macho da ovelha é o carneiro com cornos em espiral que lembram o do muflão. O muflão costuma fazer lutas estrondosas com as suas cabeçadas que ecoam por toda o vale.


O camelo pertence a uma família de ruminantes espalhada pelo mundo.

O camelo é muitas vezes confundido com o dromedário, mas é fácil saber a diferença. O dromedário tem uma bossa e o camelo tem duas, mas há camelos que têm 3 ou até 4 bossas! As bossas são importantes para sobreviver no deserto, no entanto o camelo e o dromedário são os únicos camelídeos com bossa. Outros como a alpaca, o lama, o guanaco e a vicunha vivem em áreas secas, mas mesmo assim não têm bossa. As bossas do camelo guardam gordura e não água e podem até salvar os seus donos. Uma palhinha pode furar a bossa do camelo e alimentar o dono e não haverá problema com o camelo, pois este não sente nada. Aliás eles adoram água! Bebem cerca de 10 litros de água em um minuto só para não terem sede durante 10 dias de travessia no deserto seco.


A ordem Cetacea constitui os maiores animais que já alguma vez existiram: as baleias.

A baleia-franca é um dos mais velhos de todos os animais. Pode chegar, talvez, até aos 200 anos e ou são muito gentis ou são muito medrosas. São muito grandes também, mas não são os maiores animais do mundo se não rondasse pelos oceanos a magnífica baleia-azul com 32 metros de comprimento e de 200 toneladas. Têm a maior boca entre os mamíferos para engolir cerca de 3 toneladas de krill (um camarão do tamanho de um grão de arroz). São também muito inteligentes. As baleias-de-bossa criam sons de 180 decibéis e círculos de bolhas para isolar cardumes de peixe. Na caça, as baleias-de-bossa vão para a superfície, abrem a boca e engolem os peixes uma caçada única entre as baleias.


Um parente das baleias é o golfinho.

O golfinho é um animal misterioso dos oceanos que usa a ecolocalização para localizar as presas como peixes e polvos. Esse mistério vem da sua inteligência incrível. Para recolher presas no lodo marinho usa esponjas como protecção, brincam com bolhas em forma de arco e reconhecem o seu ego no espelho. Será mesmo que eles são as espécies mais inteligentes de animais depois dos primatas ou até do homem? Será, até, que a inteligência do golfinho esteja à frente da nossa? Para mim ainda me faz confusão de como é que os cientistas conseguem determinar como é que uma espécie é mais inteligente que outro, mas parece-me que a forma que nós lidamos com o mundo parece ter uma inocência inferior à do golfinho com certeza!


Curiosidades sobre mamíferos:

O maior mamífero terrestre que já alguma vez existiu foi o Paraceratherium um rinoceronte sem chifre de pescoço comprido com 9 metros de altura.


O mamífero com o maior nariz não é o elefante mas o corpulento focinho do cachalote e que ainda por cima alberga o maior cérebro de todos os animais.


O primeiro mamífero surgiu há 220 milhões de anos na Inglaterra: o Morganucodum.

Sem comentários:

Enviar um comentário