segunda-feira, 19 de maio de 2014

Saurópodes

Os saurópodes eram os maiores animais que já caminharam em terra firme. Eram dinossauros com estatura desde 2 metros a 45 metros! Viveram desde o Triásico ao início do Pleistoceno. Vamos ver estes fantásticos dinossauros extintos que lutaram pela evolução.

Existem várias famílias, cerca de 10:

  • Ammosaurus
  • Anchisaurus
  • Isanosaurus
  • Kotasaurus
  • Lessemsaurus
  • Blikanasauridae
  • Melanorosauridae
  • Vulcanodontidae
  • Cetiosauridae
  • Omeisauridae
  • Tendaguridae
  • Turiasauria
  • Neosauropoda
  • Haplocanthosaurus
  • Jobaria
  • Diplodocoidea
  • Rebbachisauridae
  • Dicraeosauridae
  • Diplodocidae
  • Macronaria
  • Brachiosauridae
  • Camarasauridae
  • Euhelopodidae
  • Titanosauroidea


Para começar temos o Ammosaurus (lagarto da areia) que viveu na América do Norte há 200 - 160 M.a.

O Ammosaurus media cerca de 4 metros de comprimento, mas, como vêm na imagem, não era lá grande coisa comparado com um ser humano. Este réptil foi encontrado numa camada de arenito e areia, daí o seu nome.
Para muitos saurópodes primitivos, o Ammosaurus era pequeno e confiava na sua alta velocidade para escapar de predadores como o Dilophosaurus, dinossauro predador com duas cristas na cabeça que viveu no Jurássico.
Alimentava-se de algas, fetos, folhas de árvores, insectos e pequenos lagartos como o Clevosaurus.




O Anchisaurus (lagarto próximo) era outro dinossauro nativo da América do Norte há 200-190 M.a.

Outro saurópode incrivelmente pequeno! O Anchisaurus media 2,4 metros de comprimento! É impressionante como os gigantes do Jurássico e do Cretácico evoluíram a partir de dinossauros tão pequenos como este. O Dilophosaurus era o seu principal predador e convivia juntamente com o Ammosaurus. Alimentava-se de plantas e pequenos animais.
Existiam duas espécies: o A. major e o A. colurus.




A família Blikanasauridae constitui apenas uma espécie: o Blikanasaurus.

Media 3 metros de comprimento e é um dos saurópodes mais antigos, pois viveu há 220 milhões de anos no Triásico, na província do Cabo, África do Sul, em Blikana. Os saurópodes não eram comuns no Triásico superior.
Era herbívoro, ou omnívoro e provavelmente seria uma presa perfeita para predadores como rauisuchios e coelofisóideos. Para completar a sua dieta, o Blikanasaurus engolia algumas pedras para ajudar a moer a vegetação.




A família Vulcanodontidae constituía várias espécies do Jurássico há cerca de 183 - 175 M.a.

Tirada de uma enciclopédia sobre dinossauros, temos o famoso Vulcanodon do Jurássico Inferior. Viveu em África, tal como muitos outros vulcanodontídeos.
Outros saurópodes da mesma família são o Barapasaurus, o Ohmdenosaurus, o Zizhongosaurus, o Kunmingosaurus e o Tazoudasaurus.
Eram herbívoros e uns insectos estariam, talvez, no seu menu. Estes pesados répteis tinham como predadores, o poderoso Dracovenator, parente próximo do Dilophosaurus. As suas patas grandes tinham um polegar afiado, usado para se defender dos predadores.
As manadas de saurópodes não tinham um líder, deveriam se mover em grupo, atraíndo-se uns aos outros, de maneira a caminharem e migrarem em busca de água e alimento e ficarem protegidos de ataques de predadores.
Durante a época de nidificação, os saurópodes deveriam escavar buracos enormes para pôr ovos do tamanho de uma bola de futebol.



O Jobaria (semelhante a Jobar) viveu há 160 milhões de anos no Níger.

Uma incrível imagem, a mostrar uma luta entre dois machos Jobaria. O seu nome vem de uma lenda da Nigéria que fala sobre um monstro chamado Jobar.
O Jobaria media cerca de 21 metros de comprimento, era enorme! Apesar de ser maior que um cachalote, tinha predadores temidos. Num fóssil de Jobaria foram encontradas mordidas de um predador chamado Afrovenator. Este media 9 metros de comprimento, sendo que caçava em pares ou as mordidas do Afrovenator foram causadas quando o Jobaria era jovem e cresceu com a ferida implantada no osso.
O Jobaria tinha como principal defesa, a forte cauda e o polegar afiado para lutar contra os rivais, ou contra os temidos predadores Afrovenator.




A família Rebbachisauridae constituía dinossauros de há 145 - 100 M.a.

Este é o Rebbachisaurus. O Rebbachisaurus viveu no Norte de África e alimentava-se de algas, fetos e plantas. Tinha uma enorme barbatana pélvica (ou uma bossa) que seria usada para atracção sexual ou armazenamento de gordura para a estação seca.
Um parente próximo era o Nigersaurus com um bico semelhante ao de um pato para filtrar as algas e camarões da água de que se alimenta, tal como os flamingos. Talvez teria uma cor semelhante à dos flamingos.


A família Diplodocidae constitui os maiores dinossauros que jamais existiram há 170 - 145 M.a.

O dinossauro que aqui aparece é o Amazonsaurus, do Brasil. Para se defender de predadores, usa a sua longa cauda em forma de chicote que seria capaz de quebrar maxilares de dinossauros carnívoros.
Outros diplodocídeos são o Diplodocus e o Apatosaurus da América do Norte. O maior é o Amphicoelias com 45 metros de comprimento (tem o tamanho de uma baleia-azul e meia)!!!


A família Brachiosaurdae constitui gigantescos dinossauros de há 155 - 100 M.a.

Este é o Giraffatitan. A sua cabeça é exactamente igual à de vários outros braquiossaurídeos. As suas características principais são o longo pescoço, os braços maiores que as pernas e a crista munida com narinas no topo. O pescoço permitia-lhe chegar às plantas que estão mais longe e os braços permitiam-lhe dar uma estrutura anatómica melhor para chegar melhor ao topo das árvores. Mas as narinas no topo da crista deveriam servir para permitir uma melhor maneira de respirar, provavelmente. Há várias teorias. Antes, pensava-se que os braquiossaurídeos caminhavam no fundo de lagos e rios e as narinas no topo da cabeça serviam para respirar à superfície. No entanto, com 30 metros de altura, a pressão a 30 metros de profundidade iria esmagar os seus pulmões. Então, o pescoço estaria na vertical. O problema é que o sangue não conseguia subir um pescoço tão longo e o saurópode iria desmaiar. O pescoço, então, deveria estar na horizontal, mas isso não explica a existência das narinas no topo da cabeça. Outra teoria é de que usava os seus dentes cónicos para arrancar algas em águas baixas. A cabeça ficava mergulhada na água, mas a crista não, podendo ficar longos períodos de tempo com a boca mergulhada na água.
O mais famoso dos braquiossaurídeos deu o nome à sua própria família: o Brachiosaurus.


Curiosidades sobre saurópodes:

O Amargasaurus é um dos mais bizarros de todos os saurópodes, pois tem um par de barbatanas pélvicas no pescoço e nas costas. Acredita-se que seria usado para atrair fêmeas e afugentar predadores, sendo que as barbatanas seriam extraordinariamente coloridas.

O Argentinosaurus era um gigante entre os saurópodes. Pode não ter sido o maior, mas media cerca de 35 metros de comprimento com uma vértebra de mais de 1 metro e que mesmo assim tinha um predador: o Giganotosaurus de 15 metros de comprimento.


Foram encontradas 2 pegadas, cada uma de cada pata dianteira de um Apatosaurus. Os cientistas deduziram que o saurópode estava a fazer o pino!!! Como pode isto ser possível? Pelo simples facto de o Apatosaurus nadar e poder flutuar sendo que só as patas dianteiras tocaram no lodo.

O fóssil de saurópode mais recente foi encontrado no México e é datado de há 64 milhões de anos, depois do enorme asteróide cair no planeta Terra e extinguir quase todos os dinossauros há 65 milhões de anos.


Saurópodes portugueses:


  • Apatosaurus - Era o maior dinossauro que jamais caminhou em Portugal. A sua cauda era muito fina, ondulante e em forma de chicote para evitr predadores como o Allosaurus e o Torvosaurus.




  • Dinheirosaurus - O nome invulgar do dinossauro deve-se ao lugar onde foi encontrado. Porto Dinheiro é o seu ponto de origem, perto de Lourinhã.





  • Lourinhasaurus - Saurópode nativo de Lourinhã. Ninguém sabe a que família pode pertencer. Acredita-se que pode pertencer à família Camarasauridae. Mas tem algumas semelhanças com a família Brachiosauridae ou com a família Euholopidae.


  • Pleurocoelus - Este dinossauro pertencia à família Brachiosauridae e viveu no Cretáceo Inferior. O seu predador principal era o Barionix.



  • Lusotitan - Parente próximo do Brachiosaurus. Tinha as narinas no topo da cabeça e o seu comportamento seria muito semelhante ao do Brachiosaurus e do Giraffatitan.

Sem comentários:

Enviar um comentário