sábado, 10 de agosto de 2013

Cnidários

Os cnidários são um filo de animais aquáticos. Os animais mais conhecidos deste filo são por exemplo as anémonas-do-mar, as alforrecas (ou águas-vivas), hidras e corais.

São muito conhecidos por serem seres antiquíssimos e não são fixos, excepto os corais, os corais-moles e os outros cnidários em fase larvar. São todos carnívoros.

O filo dos Cnidários constitui 5 classes existentes hoje em dia e 1 classe extinta:

  • Antozoários (anémonas-do-mar e corais)
  • Cifozoários ("verdadeiras" alforrecas)
  • Cubozoa (cubomedusas)
  • Hidrozoários (hidras, caravelas-portuguesas e corais-moles)
  • Staurozoa (outras alforrecas)
  • Conulata (extinto)


Os Antozoários constituem as anémonas-do-mar e os corais.

As anémonas-do-mar são chamadas assim pela sua semelhança com flores.
A anémona-do-mar é muito usada como decoração em aquários de água salgada. Os seus tentáculos estão cobertos de células urticantes que matam as suas presas, mas pode servir de abrigo a carnguejos, donzelas e peixes-palhaço que têm imunidade ao perigo destes tentáculos graças ao muco que têm no seu corpo. Esses pequenos animais também atraem outros que são apanhados pela anémona.
As anémonas também são muito agressivas podendo ter de lutar contra outras anémonas para demarcar território.



Os corais são fixos.

Estes animais albergam variadas espécies de peixes e fazem estruturas enormes que se podem ver até do espaço, como a Grande Barreira de Coral na costa leste da Austrália. Os corais alimentam-se de microorganismos com pequenos tentáculos que saem à noite.
 
Geralmente vemos-los em águas com luminosidade intensa onde podem se alimentar. O seu corpo está coberto por algas que ao fazerem fotossíntese libertam açúcares que alimentam o coral.
 



Os Cifozoários constituem as alforrecas.
 

As alforrecas também têm tentáculos com células urticantes e podem ser consideradas pragas. São impressionantemente antigas e ao respirarem absorvem pouco oxigénio. Algumas criaturas aprenderam a serem imunes delas como as tartarugas-marinhas que se alimentam delas.
 
As alforrecas são muito comuns, mas não se deve confundir com as cubomedusas e as caravelas-portuguesas.
 


Os Cubozoa são uns dos animais mais mortíferos do Mundo.
 






 A cubomedusa é muito pequena. A campânula mede o tamanho de uma unha de um polegar. Mas os tentáculos podiam medir até 10 metros!
 
Várias pessoas morrem por causa destas criaturas mortíferas. Não há antídoto para este veneno e atua rápido. Felizmente as cubomedusas só vivem nas costas australianas.
 



Os Hidrozoários constituem as hidras, caravelas-portuguesas e corais-moles.
 

As hidras são maioritariamente de água doce.
 
As hidras são muito pequenas que passam despercebidas enquanto estás a nadar, a pescar ou a lavar-te num rio. São mais fáceis de ver à lupa ou ao microscópio. Também têm tentáculos urticantes, mas não têm o mínimo efeito no nosso organismo.
 
Alimentam-se de plâncton já que são extremamente pequenas.
 





As caravelas-portuguesas são parecidas com as alforrecas, mas não são tão mortíferas.
 

A caravela-portuguesa tem longos tentáculos urticantes que lembram a alforreca. Vários nadadores queixam-se de queimaduras graves feitas por estes animais. Por vezes elas vêm parar à costa.
 
Têm tentáculos multi-usos. Alguns deles podem albergar caranguejos que são imunes ao seu veneno. Estes defendem a caravela-portuguesa de lesmas-marinhas e anfípodas que roem os tentáculos e a campânula destes animais.
 



Os corais-moles ou plumas-do-mar mais parecem fetos de cor rosa ou vermelha.
 



Estes cnidários são fixos e usam as plumas para filtrar o plâncton e se alimentarem. São muito antigos e devem ter existido na Terra há 650 milhões de anos ou mais!
 
São também chamados de corais moles por serem animais fixos, mas, ao contrário dos corais de esqueleto calcário, as plumas-do-mar são mais flexíveis como as anémonas ou as alforrecas.
 





Os Staurozoa são espécies de alforrecas que não nadam no mar alto, mas estão fixas a rochas ou a outras superfícies sólidas.
 

Estas alforrecas alimentam-se de plâncton e dos açúcares das algas que os cobrem. Nascem como larvas que procuram um lugar para se estabelecerem e transformarem-se em animais fixos.

Encontram-se em águas temperadas sendo muito comuns pelo nosso país.






A classe extinta dos Conulata foi extinta há 200 milhões de anos na extinção massiva do Triásico.




Este era provavelmente o ambiente em que os Conulata viviam.










Os Cnidários já existiram há milhões de anos e provavelmente foram eles que evoluíram para os vertebrados e outros animais!


1 comentário: